Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

Em agosto do ano passado, Heloisa Villela, correspondente da Record em Nova York, foi diagnosticada com câncer de mama de um tipo agressivo e que já se encontrava em estágio avançado. A repórter, que passou por uma série de sessões de quimioterapia e está praticamente curada, foi entrevistada pelo site Notícias da TV e falou um pouco sobre o momento complicado vivido por ela.

“Foi horrível [a descoberta do câncer]. Imediatamente o susto é grande. Por sorte, na semana em que eu descobri, meu filho não estava em casa, estava viajando com o pai, numa colônia de férias. Não tinha ninguém em casa. Então eu chorei a semana inteira. Eu chorava e parava, parava e chorava. Você começa a pensar em tudo o que você vai passar e não sabe se vai ter uma solução, se vai morrer por causa da doença”, contou.

“A primeira semana é a pior possível, a pior de todas, sem dúvidas. Pior do que qualquer quimioterapia que eu fiz. Muito pior. É a semana do impacto da notícia. E aí, quando ela foi se aproximando do fim, eu só queria saber de marcar exames e fazer coisas. Pra mim, o único conforto era agir, para pelo menos saber que estava lutando”, completou.

No dia 20 de maio, ela revelou a doença em rede nacional, em matéria produzida pelo Domingo Espetacular. Além disso, dispensou o uso de peruca, aparecendo na televisão com seus cabelos grisalhos todos os dias no Jornal da Record.