Em ataque a ministro do Supremo, Bolsonaro demonstra total desespero

Crédito: Reprodução/YouTube

(Crédito: Reprodução/YouTube)


Que Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, não é hábil na arte do raciocínio lógico e na condução das palavras, todos nós sabemos muito bem. Perto dele, Dilma “Estoquista de Vento” Rousseff se torna uma brilhante oradora.

Assim, nenhuma surpresa com relação ao seu pronunciamento truncado – e tresloucado – desta manhã de sexta-feira (09) – treze para ele, hehe – aos seus seguidores às portas do Palácio da Alvorada, naquele cercadinho ridículo.

O amigão do Queiroz, contudo, estava mais confuso que de costume, e cobrou do ministro Barroso que determine a abertura do processo de impeachment contra um ministro do STF, que supostamente se encontra no… Senado Federal!

Sim, o devoto da cloroquina, sabe-se lá por que, imagina que cabe a um ministro do Supremo dar andamento a um processo de impeachment que tramita no Senado. Mesmo para os padrões de ignorância de Bolsonaro, isso é um espanto.

O pai do senador das rachadinhas e da mansão de 6 milhões de reais estava visivelmente “fora da casinha”. Cobrou também, do ministro do STF, que determine uma CPI para apurar supostos desvios de dinheiro de governadores e prefeitos.


+ Casal posta fotos nus em pontos turísticos e ganha fama na web
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ ‘Raça de víboras’: Andressa Urach critica seguidores que não acreditam em sua fé
+ Mulher morre após ingerir bebida alcoólica e comer 2 ovos



Ora, como poderia o Supremo fazer as vezes das assembleias estaduais e câmaras municipais? Se desvios houve, que deputados e vereadores, dos estados e municípios, façam o que estão fazendo alguns senadores e investiguem, ué.

Bolsonaro também acusou o ministro de ativismo político e politicalha. Se cumprir a Constituição é isso, como o presidente classificaria Rodrigo Pacheco, o presidente do Senado? Apesar de preenchidos todos os requisitos legais, ele se recusava a abrir a CPI.

O presidente chegou a lembrar da atuação de Barroso, como advogado de defesa de Cesare Battisti, o terrorista italiano protegido pelo lulopetismo, para denegrir o ministro. Falou aquele cuja esposa é receptora de cheques de milicianos, vejam só.

O maníaco do tratamento precoce estava tão perdido, mas tão perdido, que resolveu até se lembrar de “tanta gente morrendo no País”. É sério! Falou em “defesa da vida”. Pô, presida, deixe de mimimi! Afinal, o senhor não é coveiro. E se tem gente morrendo, e daí?

Desse jeito, logo, logo o senhor vai dizer que vacinas são seguras, que usar máscara é bom, que não devemos promover aglomerações, que cloroquina não salva vidas e que Covid-19 não é apenas um resfriadinho, uma gripezinha. Você é o mito, pô! Esqueceu?

Veja também

+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS


Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.