Cultura

Elza Soares, Martinho da Vila, Djavan e outros brasileiros levam o Grammy Latino

Em uma cerimônia que homenageou o cantor mexicano Juan Gabriel (1950-2016), vários brasileiros foram premiados na entrega dos Grammy Latinos, na noite desta quinta-feira, 17, em Las Vegas.

Elza Soares e o seu “A Mulher do Fim do Mundo” levaram o prêmio de melhor álbum de música popular brasileira; “AR”, de Almir Sater e Renato Teixeira, foram premiados na categoria música de raízes brasileiras. Céu, com “Tropix”, foi o melhor pop contemporâneo em português e também melhor engenharia de gravação; e na categoria rock contemporâneo houve um empate entre Ian Ramil (“Derivacivilização”) e Scalene (“Éter”).

“Vidas Para Contar”, de Djavan, foi eleita a melhor canção em português. O melhor álbum instrumental foi “Sambas de Chico”, de Hamilton de Holanda, e o melhor álbum de samba/pagode foi “De Bem Com a Vida”, de Martinho da Vila.

Paula Fernandes levou na categoria sertanejo.

Sem nunca ter recebido um Grammy em vida, o mexicano Juan Gabriel levou dois prêmios póstumos, o de álbum do ano e melhor álbum pop vocal tradicional com “Los Duo 2”, uma coleção de seus grandes hits tocados por estrelas da música latina, como Marc Anthony, José Feliciano e Wisin. Gabriel morreu em agosto, aos 66 anos.

Marc Anthony foi nomeado com o prêmio especial de Pessoa do Ano pela Academia Latina de Gravação.

Jennifer Lopez apresentou o prêmio, e houve várias referências à recente eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA. “Juntos podemos lutar contra o ódio e a discriminação”, disse o ator e diretor Diego Luna, no palco. “Somos mais fortes juntos.”

A apresentadora Roselyn Sanchez também disse que “não deveria haver muros que nos separem”, mas ninguém chegou a mencionar o nome de Trump no palco.

Vários artistas receberam mais de um prêmio na noite, como o cantor colombiano Manuel Medrano (revelação e álbum de cantor e compositor), o porto-riquenho Yandel e a banda Los Fabulosos Cadillacs.