Brasil

Eleito, Eduardo Paes precisou trocar partido e ajustar imagem

O prefeito eleito do Rio consegue, no mesmo evento, comemorar o apoio do PSOL e lamentar a ausência de um vereador bolsonarista, como fez em reunião recente. Habilidoso, bom de papo e com pouca ou nenhuma nitidez ideológica, Eduardo Paes (DEM), em sua volta ao Palácio da Cidade, encarna o personagem aparentemente mais procurado em uma eleição marcada pelo pragmatismo dos eleitores: o político tradicional e gestor experiente.

O período de Paes à frente da prefeitura, entre 2009 e 2016, foi o auge de um Rio que parecia retomar espaço depois de décadas de crise. Ao lado do ex-governador Sérgio Cabral, e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o prefeito simbolizou o período dos grandes eventos.

Para voltar à prefeitura, porém, Paes precisou se adaptar e mudar – a começar pelo partido. Foi para o DEM da família Maia. O Paes de 2020 também tentou adotar perfil mais sóbrio, sucinto, e que buscava apelar para o risco de ser eleito alguém “incompetente” para o Executivo. “Veja o que aconteceu com o Witzel”, martelou, sempre que pôde, sofre o afastamento do governador.

Quando foi eleito prefeito, em 2008, o bacharel em Direito Eduardo Paes tinha apenas 39 anos e cumprira dois mandatos como deputado federal. Antes, havia sido o vereador mais votado do Rio.

Em 2006, tentou trocar a Câmara dos Deputados pelo governo do Estado, mas obteve apenas 5% dos votos. Apoiou Cabral no segundo turno.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Virou secretário de Esportes e Turismo e se filiou ao então PMDB. Pelo partido, seria eleito prefeito em 2008 e reeleito em 2012 – desta vez, no primeiro turno. Viu as coisas piorarem a partir de 2016, quando os escândalos de corrupção envolvendo Cabral vieram à tona.

Havia a expectativa de que o discurso que associa Paes a Cabral voltasse a ser forte neste ano. A possibilidade cresceu depois de que ele virou réu, dois meses antes da eleição, por suposto caixa 2 da Odebrecht na disputa de 2012. Não foi o que aconteceu.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Carla Perez fala sobre vida nos EUA: “Aqui é vida normal”
+ Denise Dias faz seguro do bumbum: “Meu patrimônio”
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel