Edição nº2501 17.11 Ver edições anteriores

Eleições e notícias falsas

Um tema candente para as eleições do ano que vem é a influência da internet no comportamento dos eleitores. Pesquisa do Ibope, realizada em julho, aponta as redes sociais como o mais eficiente veículo de formação de opinião do eleitor. No Brasil nunca antes elas foram tão importantes. Em especial, se levarmos em consideração que o País já tem quase 100 milhões de contas no Facebook. Somos, sem dúvida, um dos países mais conectados do mundo.

Com as redes sociais sendo mais influentes do que a mídia tradicional, temos um problema da maior gravidade: a profusão de notícias falsas e sua influência no processo eleitoral. Os mais informados sabem que processos eleitorais recentes nos Estados Unidos e na França foram fortemente afetados pela disseminação de notícias falsas.

Recentemente, o Congresso americano realizou debates com Twitter, Facebook e Google, durante os quais os parlamentares acusaram as empresas de serem responsáveis pela influência nefasta da Rússia no processo eleitoral que elegeu Trump. Pelo fato de terem criado as plataformas que permitiram a manipulação de informações.

O debate está indo além de criminalizar a influência indevida no processo eleitoral. Vai atingir as empresas a partir da crença de muitos de que elas podem destruir a democracia. Acho um exagero considerá-las inimigas da democracia, mas, com certeza, essas empresas agem de forma inadequada para conter os abusos ocorridos.

Por duas razões. A primeira é que Twitter, Facebook e Google transferem para os usuários a responsabilidade pelos conteúdos postados. A segunda é que, por possuírem caráter transnacional, se eximem de cumprir as leis dos países que cobrem. Daí existir um movimento, lançado por Tim Berners-Lee, inventor da World Wide Web, de criação de uma Magna Carta para a internet. Uma espécie de Constituição Mundial que regule o funcionamento da web. Porém, como levará tempo para que esse tipo de Constituição se concretize, cada país deve tratar de proteger seus interesses. E o Brasil deve, inicialmente, tentar minimizar os efeitos das fake news nas redes sociais nas cenas pré-eleitoral e eleitoral. As empresas que detêm as plataformas devem assumir compromissos claros de combate a essa praga.

Evidentemente, a questão deve ser abordada com cuidado, por se relacionar com a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa. No entanto, considerando o dano causado aos processos eleitorais mencionados, omitir-se das decisões que devem ser tomadas poderá fragilizar, ainda mais, a nossa frágil democracia. Governo e empresas deverão assumir responsabilidades frente ao problema.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.