Economia

Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista-chefe do Bradesco

Crédito: AFP/Arquivos

Exportações e importações serão impactadas pela pandemia de coronavírus (Crédito: AFP/Arquivos)

O economista-chefe do Bradesco, Fernando Honorato Barbosa, entende que a economia voltará a retomar a trajetória do crescimento a partir do segundo semestre. No entanto, de acordo com ele, este crescimento, do ponto de vista dos setores, não será linear.

Veja também

+ Estudo de DNA revela novos segredos dos Manuscritos do Mar Morto
+ Aves mudam comportamento durante quarentena na Nova Zelândia
+ SUV cupê? Conheça a verdadeira “origem” do VW Nivus e outros modelos
+ Veja como é a esteira de R$ 44 mil que o governo pretende comprar
+ Assista: dois grandes tubarões rondam surfistas e piloto de drone evacua line up
+ VW Nivus: confira a galeria completa de fotos
+ Cadillac Escalade ESV de Tom Brady está à venda

Neste contexto, de acordo com Honorato, o setor de serviços será o último a se recuperar.

Com o lockdown, de acordo com o economista do Bradesco, ocorreu uma realocação dos gastos de fora para dentro dos domicílios. Ou seja, as pessoas passaram a gastar menos com restaurantes, por exemplo, e focaram em alimentos para preparo em casa.

Por isso, segundo Honorato, no curto prazo, os indicadores de inflação passarão a sofrer pressões de alimentação no domicílio e de produtos de higiene, mas deixará de sofrer pressão dos serviços.

Passado o lockdown, “os gastos com serviços voltarão mais lentamente”, avalia Honorato.

Do ponto de vista da inflação, segundo o chefe do Departamento do Bradesco, o BC terá espaço para reduzir mais a Selic.

“Mas quanto mais o BC reduzir a Selic agora, mais ele terá que aumenta-la lá na frente”, disse o economista.

O momento é crítico, é para o governo gastar mais, mas segundo Honorato, o momento é também para se manter a calma.