Esportes

‘É possível ter sonhos resgatados’, diz Fabíola sobre volta ao vôlei de praia após câncer

Crédito: Reprodução Instagram

'É possível ter sonhos resgatados', diz Fabíola sobre volta ao vôlei de praia após câncer (Crédito: Reprodução Instagram)


Desde que descobriu um câncer de mama, Fabíola Constâncio precisou se afastar das quadras de areia e travar uma dura batalha contra a doença. Agora, aos 37 anos, a brasiliense se prepara para retornar ao vôlei de praia no próximo dia 3 de julho, no Challenger Brasileiro no Rio de Janeiro.

+ São Paulo firma parceria com empresa de dados para as categorias de base

+ Em sua terceira Olimpíada, Jaqueline Ferreira relembra início no esporte com atletismo e desafio da professora

+ Após lesão e 8 meses de afastamento, Sánchez volta a ser relacionado no Santos

Em entrevista ao GE, a jogadora contou como foi passar por 16 sessões de quimioterapia de 2019 até o segundo semestre de 2020. Fabíola precisou ainda realizar uma cirurgia para retirada do tumor no seio.

Recuperada, a atleta ainda precisa manter uma rotina de exames e uso de remédios, mas ela destaca a intenção de inspirar a vida de outras pessoas na batalha diária contra os males.

“Eu resolvi voltar porque quero impactar vidas, mostrar que é possível ter seus sonhos resgatados após um momento muito difícil. Quero ser referência de esperança pra pessoas que estão passando pela doença. Existem muitas pessoas que passam por alguma situação ruim e não acreditam na volta por cima. Além disso, quero ser uma figura representativa para chamar atenção para o câncer de mama que é uma doença que mata muitas mulheres no Brasil”, revelou Fabíola ao GE.

Instagram will load in the frontend.

Volta aos treinos

Fabíola se mudou de Brasília para o Rio de Janeiro onde treina ao lado da carioca Natasha Valenta, a qual é amiga da jogadora. Com uma rotina de treinos em Ipanema, o objetivo da dupla é usar o Challenger como preparação para torneios maiores.

“Na minha cabeça, quero ao menos jogar uma temporada em alto nível. Espero q consiga! Duas temporadas seria um sonho. Essa etapa do Challenger vai me dar várias respostas. Preciso saber como meu corpo vai responder. Quero que as coisas aconteçam naturalmente. Me sinto mais forte, melhor preparada para encarar novos desafios, mais espiritualizada, mais humana, mais paciente. Irônico falar, mas sinto gratidão, porque passar por uma doença dessa no final acaba sendo transformador”, disse.

A jogadora ainda concilia os treinamentos com a atividade de empresária, ramo que Fabíola emplaca uma marca de moda praia. Constâncio evita imaginar como será sua volta e destaca que já se considera uma “campeã da vida”.

“Para ser completamente sincera, não faço a menor ideia de como vai ser esse meu retorno. Não quero fazer tantos planos porque, pela minha própria experiência, entendi que não temos controle sobre algumas coisas. Reestrear ao lado da Natasha, para mim, é um mimo de Deus. Ele não poderia ter escolhido parceira melhor nesse momento para me presentear nesse retorno as quadras. Impossível não me sentir uma campeã da vida. Acho que a maneira com que encarei tudo foi digna de guerreira mesmo”, finalizou.