E o velho sou eu?

A gente educa nossos filhos para quê? Para serem como nós, ou melhores que nós? A resposta é tão obvia que nem merece discussão. Não devem existir por aí muitos pais desejando uma vida menor para seus filhos. Mas então porque olhamos para a forma como eles pensam com tanta indiferença?

É verdade que ser pai nos dias de hoje é bem mais difícil que há umas décadas atrás, mas isso não desculpa a inércia com que os velhos de hoje tratam a geração seguinte.

Velhos como os gestores financeiros, para quem os pagamentos eletrônicos são só uma inovação tecnológica e não uma verdadeira revolução de mentalidades; velhos que não vêm que a tecnologia dos “meninos” não vai só fazer que o dinheiro se mova mais rápido, mas que ela vai moralizar todo o negócio financeiro, melhorando o financiamento dos partidos políticos, do ambiente de negócios e a transparência da sociedade.

Velhos como os políticos, que não estão nem aí para o facto de os filhos não quererem saber da política e escolham presidentes porque são estúpidos em vez de inteligentes. Velhos como os donos das empresas de mídia que ainda não entenderam porque é que os menores de 18 não querem saber do que eles escrevem diariamente e vão se informar em plataformas digitais sem jornalistas.

Muito velhos (e irresponsáveis) somos todos nós quando ignoramos completamente o que pensam os nossos filhos. É esse estado catatônico que vai arrebentar com todas previdências e aposentadorias.

Quando o antigo presidente Itamar Franco falava: “seja legal para os seus filhos, eles é que vão escolher seu asilo”, estava apenas nos avisando!

Se os velhos de hoje continuarmos assim vamos todos acabar (de novo) mortos de frio, enrolados numa manta, no cimo de uma montanha.

Quem não enxerga como seus filhos pensam, não enxerga o futuro.


Sobre o autor

Fundador da Informacion Capital Consulting e Diretor da Câmara de Comércio e Industria Luso Brasileira em Lisboa onde coordena o comité de Trade Finance é o autor do estudo "O Potencial de Expansão das Exportações Brasileiras para Portugal”. Atua atualmente como investidor e consultor, estando envolvido em projetos de intercâmbio internacional nas áreas do comércio, tecnologia e real estate. Vive com um pé em cada lado do Atlântico, entre São Paulo e Lisboa. É autor e colunista na imprensa internacional sobre temas de investimento, importação e exportação e inteligência de mercado. É um entusiasta da cultura e da língua portuguesa.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.