Em seu canal no youtube, Antonia Fontenelle disse que a abertura de uma investigação contra ela para apurar o crime de xenofobia “é uma covardia”. A apresentadora está sendo investigada por usar “expressões aparentemente preconceituosas e xenofóbicas” por parte da famosa ao tecer comentários sobre o caso DJ Ivis, preso por agressão a mulher.

Fontenelle se manifestou sobre o inquérito aberto pelo delegado Pedro Ivo, da 1º Delegacia Seccional da Polícia Civil da Paraíba, e afirmou que não citará o nome do investigador para não conceder popularidade a ele, mas afirma estar sendo vítima de injustiça, e atribuiu essa comoção à vencedora do BBB 21, Juliette Freire.

“Eu não vou citar o nome do delegado aqui porque presente a gente só dá no Natal e no aniversário e hoje não é nenhum dos dois. Esse delegado da Polícia Civil de João Pessoa instaurou um inquérito policial para apurar um possível crime de racismo praticado por mim. Eu não cometi crime nenhum. Isso tá mais que óbvio. É uma covardia o que estão fazendo comigo desde que eu usei a palavra ‘paraíba’ para o DJ Ivis, agressor de mulher. Isso graças à campeã do’BBB'”, iniciou.

Antonia Fontenelle continuou dizendo que o delegado responsável pela investigação chegou a retuitar uma notícia do G1 sobre o caso, e ela respondeu “dizendo que denunciação caluniosa é crime”. Ainda, ela ressalta que também é nordestina, mas que não faz “barulho” apenas no Nordeste.

“Faço barulho no Brasil inteiro. Sou respeitada no Rio de Janeiro. Políticos entram na minha casa pedindo voto. E não estou falando de vereador não, hein?! O senhor, que estudou pra isso, deveria saber o significado da palavra ‘xenofobia’. Se o jogador Hulk Paraíba pode ser chamado de Paraíba e o DJ paraibano não pode ser chamada de ‘paraíba’… O Hulk não tem o nome de ‘Paraíba’ na certidão de nascimento”, declarou.

Por fim, a youtuber relata que acordou sendo alvo de ataques e xingamentos por pessoas a chamando de “put* e vadi*”, e questiona se eles querem que ela “se ajoelhe e peça perdão por algo que eu não fiz?”.

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

“Quando estou errada, eu vou lá e faço [pedir desculpas]. Mas não venham tentar fazer política com o meu nome que eu não vou permitir. Pra me apontar o dedo vai ter que ter currículo ilibado. Não sabe o que é? Dá um Google. Vocês não estão falando de uma loirinha nutella, não. Tá falando com uma nordestina raiz. Não vou pedir perdão de um crime que não cometi. Não esperem isso de mim”, completou.


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias