Saúde da mulher

Dormir demais pode resultar em declínio cognitivo, aponta estudo

Crédito: Freepik

O descanso é extremamente importante para a saúde do organismo, afinal,  sem dormir, o corpo e mente não funcionam de maneira adequada. O sono está relacionado à melhora na saúde mental e à redução de riscos de problemas como diabetes e doenças cardíacas, e sua falta pode ocasionar problemas cognitivos e até mesmo Alzheimer. No entanto, existe um limite: dormir em excesso também pode ser prejudicial.

+ As melhores posições para uma noite de sono tranquila


+ Dormindo cada vez menos? Entenda como você pode estar sabotando sua rotina de sono

Um artigo publicado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, Estados Unidos, provou que, assim como dormir pouco, dormir demais também pode estar relacionado ao declínio cognitivo. O intuito da pesquisa era entender quanto o sono estava relacionado ao comprometimento cognitivo ao longo do tempo. As informações são do “IFL Science”.

Durante o estudo, 100 pessoas de em média 70 anos foram observadas durante quatro a cinco anos. Os participantes completaram uma série de testes cognitivos e neuropsicológicos para procurar sinais de declínio cognitivo ou demência. Até o momento da pesquisa, 88 pessoas não apresentavam sinais de demência e 12 apresentavam sinais de comprometimento cognitivo (uma com demência leve e 11 no estágio de pré-demência, de comprometimento cognitivo leve). Suas pontuações em cada teste então eram combinadas em uma, e quanto maior ela fosse, melhor seria a cognição ao longo do tempo. 

O teste de sono foi feito três anos depois dos primeiros, utilizando nos participantes um dispositivo de encefalografia de eletrodo único (EEG) entre quatro a seis noites. Embora o sono tenha sido medido apenas por um curto período do estudo, a equipe de pesquisa pôde entender os hábitos de cada voluntário. Os pesquisadores também levaram em consideração outros fatores que podem afetar o declínio cognitivo, como idade, genética e sinais das proteínas beta-amilóide nos organismos — que estão ligadas à demência.

A descoberta foi que dormir menos de quatro horas e meia e mais de seis horas e meia por noite — bem como ter um sono de má qualidade — estava associado ao declínio cognitivo ao longo do tempo. Além disso, a duração do sono teve impacto semelhante à idade — o maior fator de risco — para a função cognitiva. 

Sono de qualidade

Pesquisadores ainda não sabemo motivo pela qual a falta de sono está ligada ao declínio da função cognitiva. Uma teoria é que o sono ajuda o cérebro a eliminar proteínas prejudiciais que se acumulam durante o dia, portanto, interferir no sono pode comprometer a capacidade do cérebro de se livrar delas. No entanto, o mistério é ainda maior quando se trata do excesso de sono. E o que ainda é mais surpreendente nesse estudo é que a duração do sono considerada “suficiente” é de apenas seis horas e meia — menor do que as sete a oito horas geralmente recomendadas por especialistas. 

Baseando-se nessa pesquisa é possível presumir que, quando se trata de prevenir a demência, a qualidade do sono importa bem mais do que sua quantidade. Entretanto, não é possível concluir se o sono de longa duração pode causar o declínio cognitivo por si só. É importante ressaltar também que os participantes que dormiram mais de seis horas e meia todas as noites poderiam ter problemas cognitivos pré-existentes que não tenham sido detectados nos testes, bem como sofrer a influência de fatores como problemas de saúde, status socioeconômico e níveis de atividade física, e isso pode explicar por que um sono mais longo está relacionado ao declínio cognitivo.

Alguns fatores que afetam o sono, ​como a predisposição genética, são inevitáveis.  Entretanto, o sono de qualidade está ao alcance de todos, por meio de atitudes como uma dieta adequada e a prática de exercícios físicos. Além disso, embora os pesquisadores desse estudo pareçam sugerir que há uma duração ideal do sono — de até seis horas e meia —, converse com seu médico sobre o quanto você deve realmente dormir.