Saúde da mulher

Dor de perder um ente querido também pode matar, aponta estudo

Uma pesquisa feita nos EUA concluiu que esse sentimento de dor pode causar uma inflamação que oferece até risco de vida. Leia mais!

Crédito: Pexels

Você já perdeu um ente querido e teve a sensação de que não iria aguentar de tanta dor? Saiba que existe uma explicação científica para isso. Pesquisadores da Rice University (EUA) descobriram que esse sentimento pode causar uma inflamação que oferece até risco de vida.

Os estudiosos coletaram amostras de sangue de 99 pessoas que haviam perdido seus cônjuges nas últimas duas semanas. Aqueles que tinham dificuldades para seguir em frente, estavam deprimidos e sofrendo por seu ente querido tinham níveis significativamente mais altos de inflamação do corpo do que aqueles que não estavam nas mesmas condições. Em comparação com as pessoas mais compostas, as pessoas em luto tinham 53,4% mais inflamação em seus corpos.

Leia mais

Qual a influência da prevenção para uma melhor qualidade de vida?

Chris Fagundes, principal autor e professor assistente de ciências psicológicas nos Estados Unidos, disse que este é o primeiro estudo a mostrar que certos sintomas de luto podem aumentar o risco de mortalidade. “Pesquisas anteriores mostraram que a inflamação contribui para quase todas as doenças na idade adulta”, disse ele ao Daily Mail Online.

Também sabemos que a depressão está ligada a níveis mais altos de inflamação. Aqueles que perdem um cônjuge têm um risco consideravelmente maior de depressão grave. Outros possíveis riscos são ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e mortalidade prematura.

“No entanto, este é o primeiro estudo a confirmar que o luto – independentemente dos níveis de sintomas depressivos das pessoas – pode promover a inflamação, que por sua vez pode causar resultados negativos na saúde”, explica ele.

Leia mais

14 formas de ajudar uma pessoa que tem pensamentos suicidas

Este é o segundo estudo de Fagundes para entender como o luto afeta nossa saúde. Sua primeira pesquisa, publicada em maio, mostrou que as viúvas tinham um risco maior de doença cardiovascular e morte prematura. Mas este mais recente apresentou melhor como o luto se manifesta.

“Este trabalho mostra que aqueles que mantêm o luto têm maior risco”, disse o profissional. “Agora que conhecemos essas duas descobertas importantes, podemos projetar intervenções para direcionar esse fator para aqueles que estão em maior risco por meio de abordagens comportamentais ou farmacológicas.”

Outros resultados relacionados

O trabalho de Fagundes faz parte de um crescente corpo de pesquisa nesse campo. Uma equipe da University of Glasgow (Reino Unido) acompanhou 4 mil casais e descobriu que os cônjuges tinham cerca de um terço a mais de probabilidade de morrer dentro de seis meses depois de seus parceiros. Já um outro grupo israelense concluiu que esse risco aumentou 50%.

Segundo a American Heart Association, a “síndrome do coração partido” tem vários efeitos negativos. Ela pode causar insuficiência cardíaca grave a curto prazo e até ser fatal. Pessoas com essa condição também podem sentir fortes e repentinas dores no peito, além de outros sintomas causados pela reação do coração a uma onda de hormônios do estresse.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ Raro fenômeno da lua azul ocorrerá durante o Halloween, saiba o significado

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Mulher sobe de salto alto montanha de 4 mil metros

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago