Economia

Dólar vai a R$ 5,41 e fecha no maior valor em um mês com risco fiscal –

O dólar fechou a sexta-feira, 7, no nível mais alto desde 30 de junho, cotado em R$ 5,4143. A moeda americana encerrou a semana acumulando valorização de 3,8%, a maior em seis semanas. Profissionais das mesas de câmbio dizem que o cenário externo pesou, com o dólar ganhando força hoje nos emergentes ainda em meio ao impasse nas negociações para aprovação de um pacote fiscal nos Estados Unidos e aumento da tensão nas relações entre Washington e Pequim. Mas a crescente preocupação com as contas fiscais brasileiras e a expectativa de que mais cortes de juros podem vir pela frente também pressionaram o câmbio. Com isso, o real foi novamente a moeda com pior desempenho no mercado internacional nesta sexta-feira, considerando uma cesta de 34 divisas mais líquidas.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Para o estrategista de América Latina do banco francês Société Générale, Dev Ashish, a dívida pública bruta do Brasil em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), importante indicador de solvência de um país, caminha para atingir níveis este ano jamais vistos. Com isso, a confiança dos investidores na sustentabilidade fiscal do Brasil está sendo testada novamente, disse ao Broadcast.

Ashish destaca ainda que os casos de coronavírus seguem avançando no Brasil, o que torna o ambiente mais desafiador para o crescimento econômico e para o cenário político. Além disso, a economia enfraquecida contribui para elevar ainda mais a relação dívida/PIB, que caminha para bater em 100%, o dobro da média dos emergentes. Antes da pandemia, o economista do Société destaca que o estrangeiro via a situação fiscal brasileira mais gerenciável, com o governo tentando conter gastos e um crescimento positivo do PIB.

O Itaú Unibanco reduziu a previsão do dólar no Brasil este ano, de R$ 5,75 em dezembro para R$ 5,25. A melhora da estimativa foi reflexo inteiramente do exterior, uma vez que, no cenário doméstico, o banco alerta que o fiscal é fonte crescente de preocupação. Para o Itaú, que tem como economista-chefe Mario Mesquita, a economia americana deve crescer menos que outros grandes países, como os da zona do euro e a China. Com isso, a avaliação é que o dólar parece ter encerrado um ciclo de valorização, que foi impulsionado justamente pelo PIB mais forte dos EUA quando comparado com o resto do mundo.

Sobre o Brasil, o Itaú alerta nesta sexta-feira que o risco fiscal segue elevado, com pressão para aumento de gastos sociais e em infraestrutura. A avaliação é que estas despesas devem subir em 2021, criando um peso sobre as contas públicas, que pode ser parcialmente compensado pelo aumento da carga tributária.

Veja também

+ Após foto “com volume” ser derrubada no Instagram, Zé Neto republica imagem usando bermuda

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

Tópicos

dólar