Economia

Dólar sobe com crise na Turquia e pesquisa no radar após debate

O dólar sobe com força nesta sexta-feira, 10, na esteira da aversão ao risco nos mercados internacionais por causa da crise na Turquia, segundo operadores de câmbio. Lá fora, a moeda americana acelerou os ganhos ante a lira turca em meio ao discurso nacionalista do presidente da Turquia, Recep Ersogan, que pediu para que todos os cidadãos que possuem dólares, euros e ouro troquem por liras turcas. No Brasil, investidores repercutem nas mesas de operação uma pesquisa de intenção de votos, após os dados de vendas no varejo não terem empolgado, ficando em segundo plano.

O operador da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado Neto diz que o cenário externo conduz a alta frente o real. Para ele, o debate entre os candidatos à Presidência “foi morninho e consolida a superficialidade das propostas do líder das pesquisas (Jair Bolsonaro) em cenário sem o ex-presidente Lula”. Segundo ele, a expectativa é se o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, vai conseguir ganhar espaço nas pesquisas. “Qualquer surpresa positiva do Alckmin em pesquisa deve levar o mercado a reagir bem”, prevê.

O diretor da Correparti Jefferson Rugik confirma que o dólar forte lá fora é o principal catalisador da alta frente o real, por enquanto.

O avanço do dólar no exterior reflete a expectativa frustrada de um anúncio da Turquia mais concreto de recuperação econômica, como, por exemplo, um pedido de ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Além disso, Erdogan disse que o Banco Central não elevará os juros. Em meio a esta situação, o dólar ganhou força ao redor do mundo.

Às 9h35, o dólar à vista subia 0,83%, a R$ 3,8333. O dólar futuro de setembro avançava 0,89%, a R$ 3,8450.

Nesta manhã, o economista André Lara Resende, um dos responsáveis pelo programa econômico da campanha de Marina Silva (Rede), é o segundo entrevistado na série de sabatinas “Os economistas das eleições”, promovida pelo Grupo Estado em parceria com o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Tópicos

dólar