Finanças

Dólar fecha abaixo de R$ 3,30, em dia de realização de lucros e ata do Fed

O dólar teve um movimento de realização de lucros na tarde desta quarta-feira, 5, que foi desencadeado após a divulgação do fluxo cambial, em meio a um desmonte de posições compradas e diante de ponderações sobre o andamento da denúncia contra o presidente Michel Temer. Além disso, especialistas de mercado destacaram que o teor mais “dovish” da ata do Federal Reserve (Fed), que deixou a percepção de que o ritmo de alta de juros nos EUA pode ser mais lento.

Segundo o diretor da corretora Correparti, Ricardo Gomes da Silva, no período da tarde o mercado amenizou a escolha do deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) para a relatoria da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Temer, contrariando a percepção de mais cedo, quando o dólar chegou a subir 0,66%, na máxima.

“Embora Zveiter seja mais técnico e tenha apoiado o impeachment de Dilma e a cassação de Eduardo Cunha, neste momento não tem como legislar sem colocar um cunho político mais forte, e isso será benéfico ao Temer”, explicou Silva, uma vez que ambos são do mesmo partido, o que pode gerar um parecer mais favorável. Ele acrescentou como outro ponto positivo à queda do dólar a vitória do presidente na aprovação da urgência para a votação da reforma trabalhista no plenário do Senado Federal com amplo placar (46 votos a 19).

Bruno Foresti, gerente de câmbio do Banco Ourinvest, destacou ainda que a possibilidade de a votação da denúncia contra o Temer ser empurrada para agosto “abriu espaço para a queda do dólar e se somou com a expectativa para a reforma da Previdência”. Hoje à tarde, o advogado de Temer entregou na Câmara dos Deputados a defesa do presidente na CCJ.

Além dos fatores internos, o exterior também contribuiu para a desvalorização da moeda americana ante o real. Foresti, do Banco Ourinvest, destacou que, após a ata do Fed, o dólar recuou mais. Isso porque o documento mostrou preocupação com a fraqueza da inflação nos EUA, afirmando que a taxa não atingiu a meta da instituição de 2% tão rapidamente como era esperado, “reduzindo o ritmo de altas de juros”.

A virada do dólar para baixo veio logo no início da tarde quando foi divulgado que o fluxo cambial do ano até 30 de junho (última sexta-feira) está positivo em US$ 7,478 bilhões, segundo o Banco Central.

No mercado à vista, o dólar terminou em baixa de 0,49%, aos R$ 3,2926. O giro financeiro registrado somou US$ 777 milhões. Na mínima, ficou em R$ 3,2916 (-0,51%) e, na máxima, aos R$ 3,3306 (+0,66%). No mercado futuro, o dólar para agosto caiu 0,65%, aos R$ 3,3070, na mínima do dia. O volume financeiro movimentado somou US$ 3,98 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,3070 (-0,65%) a R$ 3,3490 (+0,61%).

Tópicos

dólar