Economia

Dólar começa junho em alta e vai a R$ 5,38 com política e saída de recursos –

O mercado de câmbio começou junho agitado, após alguns dias de relativa calmaria no final de maio. Com o real na contramão de outras moedas emergentes, que hoje ganharam força perante o dólar, o Banco Central fez na parte da tarde desta segunda-feira, 1º, dois leilões de dólares à vista, tipo de operação que não fazia desde o dia 14 do mês recém-terminado, mesmo dia em que a moeda americana bateu em R$ 5,97. Profissionais de câmbio relatam que o cenário político conturbado segue pesando, provocando saída de capital estrangeiro do Brasil.

O dólar à vista fechou em alta de 0,93%, a R$ 5,3884. No mercado futuro, o dólar para julho fechou em R$ 5,3750 (+0,59%).

Em dois leilões na tarde desta segunda, o BC vendeu US$ 530 milhões, ambos no mercado à vista. Com isso, o dólar fechou abaixo das máximas do dia, a R$ 5,42. A última intervenção do BC oferecendo recursos novos ao mercado foi em 19 de maio, com oferta de swap cambial. Desde então, tem se concentrado em operações de rolagens de swap e de linha. Hoje, durante audiência pública virtual, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, voltou a afirmar que o câmbio é flutuante e que a autarquia realiza intervenções quando há “gap (lacuna) de liquidez”. Na mesma audiência, alertou que a atividade pode encolher mais que o previsto este ano.

O economista e operador da Advanced Corretora de Câmbio, Alessandro Faganello, avalia que o dia até começou bem, mas a permanente tensão entre Estados Unidos e China e, no mercado doméstico, os conflitos entre os poderes, principalmente entre Executivo e Judiciário, ajudaram a pressionar o câmbio.

Para os analistas da SulAmérica Investimentos, os atritos recorrentes entre os poderes, em meio ao avanço da pandemia, permanecem como um foco de instabilidade, alimentando a aversão ao risco. No final da tarde, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que “criticar é legítimo”, mas outra coisa é pedir pra fechar Supremo e Parlamento. Se Jair Bolsonaro prosseguir com esse tipo de atitude, vai gerar “insegurança e aprofunda própria crise econômica”, disse o parlamentar.

Um ponto na disputa entre China e EUA pode até ser positivo para mercado de câmbio brasileiro, relatam operadores. Pequim determinou que grandes estatais do país suspendam importações de produtos agrícolas dos EUA, incluindo as de soja, o que pode ajudar as vendas da commodity pelo Brasil. Mas hoje nem dados positivos da balança comercial de maio ajudaram a animar o câmbio, com superávit de US$ 4,548 bilhões, queda de 19% ante igual mês de 2019, mas um pouco acima do esperado pelo mercado, que previa US$ 4,4 bilhões, de acordo mediana das estimativas captadas pelo Projeções Broadcast.

Veja também

+ Há 20 anos, Madonna era humilhada em BMW pelo ex; assista
+ Erika Schneider mostra antes e depois após plásticas
+ Cantora Patricia Marx se assume lésbica aos 46 anos de idade
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior
+ Diferença de altura gritante faz casal viralizar nas redes sociais
+ Fiat faz desconto em toda a linha; preço do Toro cai R$ 32 mil
+ Apresentadora Clarice Amaral morre aos 84 anos

Tópicos

dólar