Brasil

Dois jornalistas são agredidos durante atos pró-Bolsonaro

Crédito: Reprodução/ Twitter

Manifestante agride repórter fotográfico em MG (Crédito: Reprodução/ Twitter)


Dois jornalistas foram agredidos enquanto trabalhavam na cobertura de manifestações a favor do presidente Jair Bolsonaro. As agressões ocorreram em Belo Horizonte e Salvador, e foram motivo de repúdio de entidades representativas. Nos dois casos, manifestantes bolsonaristas tentaram impedir que os profissionais filmassem e fotografassem os atos. Em Belo Horizonte, um repórter fotográfico do jornal Estado de Minas foi alvo de pontapés, empurrões e xingamentos após se identificar como profissional de imprensa.

Um dos agressores o atingiu com um capacete. O protesto “culminou em censura ao trabalho da imprensa”, registrou o Estado de Minas. O jornal optou por não divulgar o nome do profissional, por motivos de segurança.

Em Salvador, a fotojornalista Paula Fróes, do jornal Correio, foi cercada por manifestantes enquanto trabalhava na cobertura de um protesto bolsonarista no bairro da Mouraria, na região central da capital baiana. Os manifestantes, enquanto cercavam a jornalista, a chamaram de “vagabunda” e “palhaça”, entre outras ofensas. Alguns deles não usavam máscaras de proteção, em desrespeito às recomendações de autoridades de saúde para o combate à pandemia de coronavírus.

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) emitiu notas em que condena as duas agressões. No caso de Minas, a entidade pediu que as autoridades identifiquem os agressores e os encaminhem à Justiça. Em Salvador, ao menos um dos agressores já foi identificado.

“Os agressores atentaram contra a integridade física de um cidadão e também contra o direito de todos serem livremente informados, já que o repórter-fotográfico estava trabalhando para levar a público informações sobre a manifestação”, disse a ANJ em nota. “A sociedade e suas instituições devem reagir com eficiência e rigor em defesa da atividade jornalística e da liberdade de imprensa, que são fundamentais para o exercício da cidadania.”

A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) divulgou nota de repúdio ao caso em Salvador. A entidade classificou o episódio como “mais uma cena abjeta destes tempos sombrios, em que o ativismo político é rebaixado a isso, com o estímulo da principal autoridade do País”: “A ABI se solidariza com a colega e com a redação do Correio, e apoia as medidas jurídicas que profissional e empresa julgarem necessárias”.

O Sindicato dos Jornalista da Bahia também se manifestou. “O que aconteceu com a jornalista Paula Fróes nesse domingo, dia 14 de março, na Mouraria, em Salvador, é apenas a continuidade da escalada de agressões contra a imprensa. O Sinjorba solidariza-se com a colega e manifesta seu veemente repúdio”.

O presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Agostinho Patrus (PV), condenou os ataques que ocorreram em Belo Horizonte. “A liberdade de imprensa é um direito inviolável à democracia e toda agressão ao seu livre exercício deve ser coibida e condenada”, escreveu o deputado em sua conta oficial no Twitter.

Segundo a Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj), o ano de 2020 foi o mais violento para os jornalistas brasileiros. Os ataques à imprensa e as agressões diretas a jornalistas tiveram um aumento de mais de 100%, de acordo com levantamento da entidade.

Veja também
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ ‘Transo 15 vezes na semana’, diz Eduardo Costa ao revelar tratamento por vício em sexo
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago