Tecnologia & Meio ambiente

Dois indianos mortos e um chileno desaparecido no Kanchenjunga

Dois alpinistas indianos morreram e um chileno está desaparecido no Kanchenjunga, a terceira maior montanha do mundo, informaram nesta quinta-feira os organizadores da expedição no Nepal.

Biplab Baidya (48 anos) e Kuntal Karar (46) estavam na montanha de 8.586 metros de altitude, localizada na fronteira entre o Nepal e a Índia, com uma expedição de cinco membros procedente de Bengala Ocidental, no leste da Índia.

O alpinista chileno, identificado como Rodrigo Vivanco, também perdeu contato durante a descida do Kanchenjunga e equipes de resgate estão procurando por ele, disse à AFP Keshab Poudel, da agência de turismo Peak Promotion.

Karar ficou doente antes de chegar ao topo, enquanto Baidya ficou mal durante a descida, disseram os organizadores.

Apesar das tentativas de resgate, ambos morreram a mais de 8.000 metros de altitude, na chamada “zona da morte”, onde o oxigênio é escasso o que dificulta a respiração.

“Acreditamos que tiveram problemas de altitude. Nossos guias estão tentando levar os corpos para os acampamentos situados mais abaixo”, disse Keshab Poudel.

Muitas montanhas do Himalaia, incluindo o Everest, estão na alta temporada de escalada, que vai de abril até o final de maio.

Na semana passada, o experiente alpinista peruano Richard Hidalgo morreu no Monte Makalu, o quinto pico mais alto do mundo.

Em abril, um alpinista do Himalaia morreu após ser resgatado no Annapurna, onde passou duas noites ao ar livre perto do cume.

Centenas de alpinistas vão ao Nepal todos os anos, onde oito dos 14 picos mais altos do mundo são encontrados.