Em Cartaz

Do morro carioca à boate paulista

Os filmes Intervenção e Virando a Mesa, do diretor Caio Cobra, estreiam simultaneamente na Netflix

Crédito: Divulgação

OUTRO LADO Intervenção: Marcos Palmeira lidera tropa de policiais que interagem com a comunidade (Crédito: Divulgação)

A indústria do audiovisual passa por uma crise no Brasil, mas o diretor Caio Cobra não tomou conhecimento disso: ele acaba de lançar dois longas na Netflix em menos de um mês. Intervenção é uma espécie de lado B de Tropa de Elite, onde os policiais não são apenas justiceiros implacáveis, mas homens e mulheres mais conscientes, que questionam seu trabalho e interagem com a comunidade. Estrelado por Marcos Palmeira, Babu Santana e Bianca Comparato, tem roteiro de Gustavo de Almeida e Rodrigo Pimentel, autor de Elite da Tropa, livro que deu origem ao sucesso de bilheteria de José Padilha. Já Virando a Mesa foi escrito pelo próprio Caio Cobra, e traz uma história repleta de reviravoltas que lembram os filmes independentes americanos dos anos 1990. A trama mostra o policial Jonas (Rainer Cadete) em uma operação para fechar um jogo de pôquer que funciona em uma boate clandestina de strip-tease, mas ele acaba se envolvendo com o jogo e com a sexy dançarina Nina, papel de Monique Alfradique. As duas produções chegam simultaneamente ao streaming por questão de coincidência: “Filmamos Virando a Mesa em 2017 e Intervenção em 2018, mas atrasos na finalização decorrentes da pandemia fizeram com que os dois ficassem prontos apenas agora”, afirma Cobra.

Divulgação

Profissional versátil

Antes de ser diretor, Caio Cobra era montador e roteirista. Raro na indústria do cinema, o acúmulo de funções lhe deu independência para escrever, editar e dirigir Virando a Mesa, influenciado pelo estilo de Guy Ritchie e de Quentin Tarantino.
Já Intervenção é uma abordagem humana dos conflitos nos morros cariocas. “Eu não queria fazer mais um filme de tiroteio na favela”, diz. Cobra prepara a estreia como escritor, com Um Brinde às Trevas (U-Book)