Ediçao Da Semana

Nº 2741 - 05/08/22 Leia mais

A vitória do Fluminense sobre o Botafogo, por 1 a 0, neste domingo, foi convincente. Porém, apesar dos quase 90 minutos de superioridade em campo e do resultado, Diniz lamentou o placar com pouca vantagem em relação ao rival. Por outro lado, o técnico tricolor elogiou a equipe e projetou a próxima rodada pelo Brasileirão.

– Fluminense fez um grande jogo, divido também as próprias dificuldades que o Botafogo impôs. A gente acabou dominando a posse desde o início do jogo, mas especialmente no segundo tempo, isso ainda foi mais preponderante. Concordo que poderíamos ter finalizado um pouco melhor em alguns lances, mas a equipe está de parabéns – disse.

+ Quem é melhor: Botafogo ou Fluminense? Veja votação jogador por jogador feita pela redação do LANCE!

O domínio da partida se refletiu nos números. Diniz comentou sobre a posse de bola, a linha de marcação e as chances criadas pela equipe, mas ressaltou que o placar não reflete o que aconteceu em campo.

– Jogar um clássico que você tem praticamente 80% de posse e não cedemos quase nada de contra-ataques para o Botafogo, acho que temos que elogiar ao máximo o time. A gente sabe que no futebol a coisa mais difícil que tem é jogar contra linha baixa, e a mais fácil é marcar em linha baixa, então o Fluminense tem todos os méritos. Fizemos o gol, mas criamos outras chances, tivemos volume de escanteio, chute, finalização… Acho que o resultado de 1 a 0 não traduz o jogo de nenhuma forma.

Durante o clássico, Nonato e John Kennedy receberam o terceiro cartão amarelo e estão suspensos para o jogo contra o Corinthians, no sábado. Apesar dos desfalques, Diniz disse que o elenco é qualificado e permite a reposição com qualidade.

– A gente tem a semana para pensar bem e jogadores qualificados para colocar no lugar. [Quero] aproveitar para fazer um elogio ao Nonato porque ele fez uma belíssima partida hoje, principalmente no segundo tempo. Mas vamos achar solução. Temos um grande adversário no próximo fim de semana e vamos nos preparar bem para entregar o nosso melhor.

Diniz aproveitou para falar um pouco sobre a própria evolução desde a primeira passagem no Fluminense. De acordo com o professor, ele melhorou aspectos defensivos, mas nunca perdeu a essência.

– Acho que todo mundo que se dedica para fazer algo, não só no futebol mas como pessoa, tem que melhorar ao longo de três anos. Melhorei bastante como pessoa na minha avaliação, que é o mais importante, e como treinador também. Nos aspectos defensivos do jogo, na saída de bola… Fortaleci a minha ideia porque nunca pensei em mudar a essência no futebol. Conforme o tempo foi passando e as críticas superficiais foram aparecendo, só tive mais convicção de que eu estava no caminho certo.

Veja a classificação da Série A do Brasileirão

Por fim, Diniz lamentou o episódio de violência ocorrido antes do jogo. Na entrada do Estádio Nilton Santos, o ônibus do Fluminense foi apedrejado por torcedores alvinegros.

– A gente lamenta, não porque foi no ônibus do Fluminense, isso não deve acontecer em nenhum jogo, jamais deveria acontecer. É lamentável, acredito que não tenha participação de ninguém do Botafogo, foi um fato isolado, mas enquanto isso tem a possibilidade de acontecer, talvez a gente precise de algumas medidas de segurança. Não esperar acontecer o pior para poder tomar alguma iniciativa. A gente deu muita sorte porque pegou na coluna do ônibus, se pega no vidro, talvez tivesse machucado alguém com alguma gravidade. É lamentável esse fato.