Brasil

Dilma calada é uma poeta

Dilma calada é uma poeta

A ex-presidente Dilma Rousseff discursa durante I Fórum Mundial de Pensamento Crítico, em Buenos Aires, 19 de novembro de 2018 - AFP

A mulher sapiens que quebrou o Brasil comemorou hoje o triunfo da mulher sapiens que arruinou a Argentina. “A vitória da chapa Alberto Fernández-Cristina Kirchner nas prévias presidenciais é uma luz no fim do túnel para o povo argentino e para a América Latina e um enorme alento para todos que lutamos pela democracia. Triunfo animador das forças progressistas sobre o neoliberalismo”, disse Dilma Rousseff. A ex-presidente, de fato, rechaçou o liberalismo quando, mesmo aconselhada por Lula, preferiu não incorporar o ex-ministro Henrique Meirelles ao governo. Deu no que deu (para a nossa tristeza e azar). Meireles, não Henrique, mas Cecília dizia: “não sou alegre nem triste, sou poeta”. Dilma, parafraseando Romário, também é uma poeta. Calada.