O Diabetes Mellitus (DM) é considerado uma doença grave, crônica, de evolução lenta e progressiva, que se tornou mundialmente um sério problema de saúde pública. De difícil controle, pode causar complicações graves como doenças cardíacas, neuropatia (danos nos nervos), nefropatia (doença nos rins), retinopatia (problemas de visão) e problemas nos pés, podendo provocar até amputações, cujo tratamento impõe mudanças significativas no estilo de vida do paciente, além de exigir muita disciplina e responsabilidade.

Mas, com alguns cuidados é possível reduzir os sintomas e prevenir complicações, permitindo que o portador desfrute de uma vida ativa e saudável.

E na semana em que se comemora o Dia Nacional do Diabetes, Juliana Romantini, coach e treinadora Corpo-Mente, especialista em Mindfulness, habilitada em Medicina do Estilo de Vida e criadora do método Prática Integral –, destaca a importância do movimento na prevenção e controle da doença. “A prática regular de atividade física é hoje, comprovadamente, um dos principais pilares no controle do diabetes, juntamente com o tratamento medicamentoso e a alimentação saudável”, explica Juliana.

Exercitar-se ajuda na melhora da sensibilidade à insulina, que é responsável por controlar a quantidade de glicose no sangue, além de contribuir para a manutenção de um peso saudável. “Considerando que pessoas com diabetes têm um risco aumentado de doenças cardiovasculares, o exercício regular também auxilia na saúde do coração, reduzindo a pressão arterial, melhorando os níveis de colesterol e diminuindo o risco de doenças cardíacas”, destaca a coach.

Os benefícios da prática de exercícios vão além do tratamento. Segundo Juliana Romantini, a atividade física regular é uma grande aliada também na prevenção do diabetes para pessoas pré-diabéticas ou obesas. Para os portadores que não desenvolveram ainda o hábito de praticar exercícios, Juliana lembra que há várias atividades prazerosas que ajudam no controle da insulina no organismo e no combate do diabetes.

Atividades ao ar livre, como caminhar, andar de bicicleta, realizar treinos de força e flexibilidade ou mesmo praticar yoga e meditação em parques, não só permitem uma conexão agradável com a natureza, como auxiliam a regularizar os níveis de açúcar no sangue de forma natural, proporcionando benefícios imediatos e em longo prazo.

“Encontrar um local tranquilo ao ar livre para meditar ou praticar mindfulness também ajuda na melhor gestão emocional e, consequentemente, no controle do diabetes. Estudos científicos comprovam esses dados, reafirmando a conexão entre a regulação do estresse e o controle do diabetes”, complementa Juliana.

 “As mudanças impostas pelo diabetes podem ser desafiadoras. Mas é possível ter uma vida ativa e com qualidade. Meu conselho é: comece devagar e seja paciente consigo mesmo. Buscar a ajuda de um profissional especializado, que oriente na escolha de atividades adequadas ao seu perfil e gosto pessoal é indispensável, especialmente quando há condições médicas pré-existentes. E, claro, sempre seguir as orientações do médico antes de iniciar qualquer programa de exercícios” pontua Juliana.