Geral

‘Desprezível’, diz filho de Lula após Eduardo Bolsonaro ironizar assalto sofrido por ele

Crédito: Reprodução

Luís Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula (Crédito: Reprodução)


Na terça-feira (17), Luís Cláudio Lula da Silva, filho caçula do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sofreu um assalto na rua Vergueiro, zona sul de São Paulo. No dia seguinte, o deputado Eduardo Bolsonaro (PL) ironizou o ocorrido por meio de uma publicação no Twitter. As informações são do UOL.


+ Esses 4 signos detestam mandar mensagens no WhastApp
+ Farmacêutica bomba nas redes sociais com receitas rápidas e fáceis
+ Faça chocolate quente com uísque e mande o frio embora
+ Os signos mais mentirosos do zodíaco

Luís Cláudio disse em entrevista ao programa Balanço Geral, da Rede Record, que estava parado no semáforo no momento em que dois criminosos o abordaram com uma arma de brinquedo.

“Bateram com a arma no vidro, a gente abriu a porta e eles pegaram o celular. Eles foram embora para um lado e fomos para o outro”, disse.

Depois, o filho de Lula conseguiu encontrar uma patrulha policial e relatou o ocorrido. Os criminosos foram apreendidos e eles tinham entre 15 e 17 anos.

No dia seguinte, o filho do presidente Jair Bolsonaro escreveu: “É expropriação que fala? Ou seria mais adequado 100 anos de perdão?”. Ele teria feito esse comentário em referência ao ditado “ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão”.

Luís Cláudio respondeu: “Dudu bananinha é um ser desprezível mesmo! Se estamos vivendo num Brasil violento e necessitando, onde crianças precisam assaltar para poder se alimentar, a culpa é do incompetente do seu pai! São mais de 16 milhões de desempregados desesperados para alimentar suas famílias”.

“E sim, eu não acredito que adolescentes cometam crimes porque gostam… Eles cometem crimes porque temos um governo federal omisso, que não liga para a população. Que não compra vacina, que não cria projetos sociais, que não cria emprego e que não faz a economia girar”, completou.

“Família nojenta que comemora a desgraça dos outros… Também é o que resta né, é uma família que não tem vitórias para comemorar… Um patriarca egocêntrico, incapaz e limitado não teria como criar uma família de forma decente”, finalizou.