Uma das redes “mais importantes” de tráfico de migrantes que organizava travessias no Canal do Mancha foi desmantelada na quarta-feira graças a uma ampla operação internacional, anunciou a Europol nesta quinta (22).

Foram detidas 19 pessoas na Alemanha nessa operação com participação de autoridades francesas, belgas e alemãs, indicou a agência de polícia da União Europeia (UE) em um comunicado.

A investigação, que durou um ano e meio, centrou-se em “uma rede iraquiana-curda suspeita de transportar da França para o Reino Unido migrantes irregulares do Oriente Médio e da África Oriental”, disse a Europol.

Essa rede cobrava “entre 1.000 e 3.000 euros” (R$ 5.345 a R$ 16.035, no câmbio atual) por uma vaga a bordo de “botes infláveis de má qualidade”.

O tráfico ilícito de migrantes por meio de pequenas embarcações “não parou de aumentar desde 2019, e se tornou em 2021 no modus operandi mais utilizado […] da União Europeia para o Reino Unido, superando o tráfico por caminhões”, segundo a Europol.

De acordo com a agência, além da qualidade precária das embarcações, elas não seriam seguras para mais de 10 pessoas, mas levavam cerca de 50 migrantes.

“Os investigadores reuniram provas de 55 saídas facilitadas unicamente por essa rede”, afirmou a Europol, que detalhou que os suspeitos, radicados na Alemanha, compravam os botes para “atravessar clandestinamente migrantes das praias próximas da cidade francesa de Calais para o Reino Unido”.

– “Muito profissional” –

A vasta rede criminosa, composta por iraquianos e sírios de origem curda, era “muito profissional”, ressaltou a agência, com setores encarregados de organizar o fornecimento de grandes quantidades de “equipamentos náuticos”.

“A rede criminosa podia facilitar até oito saídas em uma noite, dependendo das condições meteorológicas”, disse.

A Alemanha é citada como uma das bases do tráfico de embarcações infláveis para o cruzamento do Canal da Mancha.

As autoridades alemãs informaram que mobilizaram mais de 650 agentes durante uma operação na quarta-feira, na qual foram realizadas buscas em 28 locais, incluindo 19 casas e 9 depósitos.

Foram apreendidos 12 botes infláveis, 179 coletes salva-vidas, 81 dispositivos de flutuação para crianças, 60 infladores, 10 motores, armas e dinheiro em espécie, de acordo com as forças policiais.

Desde a década de 1990, centenas de exilados vivem em barracas e abrigos improvisados em Calais ou Dunkirk na tentativa de chegar à Inglaterra, escondidos em caminhões ou por barco.

Cerca de 30 mil migrantes atravessaram ilegalmente o Canal da Mancha em 2023 em pequenas embarcações, uma forte redução em comparação com o recorde de 2022 (45 mil).