Platinum

Design brasileiro ganha o mundo

Deixe para lá o clichê de samba E futebol. hoje são os designers e arquitetos que simbolizam o talento do Brasil no exterior

Design brasileiro ganha o mundo

Cadeira de Balanço Rio, de Oscar Niemeyer. Criação de 1977

Via Pietro Maroncelli, número 13, Milão, Itália. É no epicentro do “Maroncelli District”, na capital mundial do design, que a galeria brasileira ETEL exibe o melhor da criação brasileira do setor. Com a inauguração da primeira unidade internacional da marca, desembarcam na Europa peças de grandes nomes do design nacional, como Oscar Niemeyer, Lina Bo Bardi, Zalszupin e os contemporâneos Claudia Moreira Salles, Isay Weinfeld, Arthur Casas e a própria Etel Carmona. “O design brasileiro tem sido aclamado pela mídia e por profissionais internacionais como a última grande descoberta de peso em termos estéticos, tanto pela qualidade quanto pelo número de autores e peças”, afirma Lissa Carmona, diretora geral e curadora da galeria. Com a abertura da ETEL Milano, a marca consegue aumentar a própria visibilidade, coloca os designers brasileiros em evidência e também propicia um intercâmbio de tecnologia entre o Brasil e países europeus. “Estar perto dos nossos grandes clientes e parceiros é fundamental para a marca neste momento”, comenta Lissa. Mas a galeria não pretende ficar apenas na Europa. Ainda esse ano, a Ásia é o novo destino, com a inauguração de uma representação em Beirute, no Líbano. Não para por aí. Nos próximos anos, a meta é ir ainda mais longe, como Singapura e Coreia do Sul, mercados que demonstram interesse pelos itens criados por brasileiros, principalmente peças feitas em madeira.

Na América do Norte, é Dado Castello Branco que tem conquistado cada vez mais espaço. Além de suas criações figurarem na Galeria Espasso, em Nova York, o arquiteto também participa da primeira edição da CASA COR Miami, em dezembro, ao lado de influentes profissionais como o francês Pierre Frey, um dos principais nomes do segmento de tecidos no mundo, e Steve Harris — responsável pelo lifestyle das lojas Dolce & Gabana. “Temos diversos nomes já conhecidos internacionalmente na área do design e da arquitetura. O Brasil sempre desperta uma curiosidade”, diz Dado Castello Branco.

 

Lissa Carmona em frente à ETEL Milano. Nova galeria pretende ser a embaixada do design brasileiro

Se o sucesso do design brasileiro já é uma realidade global, há um grupo que está preocupado em garantir que o futuro do País na área seja ainda mais próspero. O Projeto Raiz, uma iniciativa do Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves, inaugurou no mês passado um showroom no centro de Orlando, nos Estados Unidos, para promover o talento e os produtos nacionais. No local, por enquanto, quatro estúdios expõem suas peças. A ação faz parte de uma estratégia de internacionalização, participação e fortalecimento dos designers de mobiliário do Brasil nos Estados Unidos para que profissionais brasileiros sejam cada vez mais solicitados pelo mercado americano.

Palestras 

A expansão do design brasileiro, no entanto, não se limita às peças de arte. O conhecimento dos profissionais do País também é bastante requisitado. Só em 2017, o arquiteto Guto Requena já fez mais de dez palestras internacionais, incluindo a Universidade Paris-Sorbonne, na França, o Massachusetts Institute of Technology (MIT) e a Universiadde Harvard, nos Estados Unidos. Ele também foi o representante do Brasil no evento Open Innovations Forum, na Rússia. “Quando a gente chega lá fora é até um pouco mais fácil. A exigência é a mesma, mas lá eles têm mais profissionais, têm mais tecnologias disponíveis e mais acessíveis”, afirma. Requena é referência em economia digital, desafios da transformação global e como transformar positivamente as cidades por meio da arte pública. “Mostrei que São Paulo pode ser protagonista na discussão das cidades do futuro”, diz o arquiteto que tem entre suas criações o Love Project, experiência de design, ciência e tecnologia que transforma em objetos do cotidiano emoções captadas em narrativas de amor. Com tanta repercussão, Requena abocanhou um projeto em Paris: uma discoteca — que ainda está em fase de execução — com uma grande instalação de arte interativa no meio do espaço e desenhada inteiramente pela equipe dele. São 1500 metros quadrados com toda bossa que só um brasileiro consegue criar.

Guto Requena: só esse ano, o arquiteto brasileiro já fez mais de dez palestras em universidades internacionais, incluindo Harvard