Tecnologia & Meio ambiente

Derretimento do gelo da Groenlândia está acontecendo mais rápido que o esperado

Derretimento do gelo da Groenlândia está acontecendo mais rápido que o esperado

Fotos aéreas antes e depois mostram, com cinco horas de intervalo, a evolução de um lago na geleira Store - Tom CHUDLEY/AFP

O derretimento da camada de gelo da Groenlândia está acontecendo muito mais rápido do que o esperado e pode colocar milhões de pessoas em risco até o final do século, alertaram cientistas nesta terça-feira (10).

Com até três quilômetros de espessura em alguns lugares, a Groenlândia perdeu 3,8 trilhões de toneladas de gelo desde 1992, o suficiente por si só para adicionar 1,06 centímetro ao nível do mar, de acordo com um estudo publicado na revista Nature.

Ele mostrou que a taxa de perda de gelo aumentou de uma média de 33 bilhões de toneladas por ano nos anos 1990 para 254 bilhões de toneladas em apenas três décadas.

Muitos cientistas temem que o aquecimento global impulsionado pelas emissões de gases do efeito estufa tenha empurrado as camadas de gelo até um ponto de não retorno, com consequências potencialmente catastróficas para a humanidade.

Em 2013, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) deu uma previsão central de que, se o aquecimento global continuasse, o nível do mar subiria 60 centímetros até 2100, colocando 360 milhões de pessoas em risco de inundações costeiras anuais.

O estudo mais recente, no entanto, mostra que as perdas de gelo mais rápidas do que o esperado da Groenlândia estão alinhadas com o cenário de aquecimento climático mais alto do IPCC, que acrescenta sete centímetros a essa cifra.

“Como regra geral, para cada centímetro aumentado no nível global do mar, mais seis milhões de pessoas são expostas a inundações costeiras ao redor do planeta”, disse o coautor Andrew Shepherd, da Universidade de Leeds, no Reino Unido.

“Nas tendências atuais, o derretimento do gelo da Groenlândia (sozinho) fará com que 100 milhões de pessoas sejam atingidas por inundações a cada ano até o final do século, totalizando 400 milhões devido a todo o aumento do nível do mar”, disse Shepherd.

“Não são eventos improváveis ou pequenos impactos; eles estão acontecendo e serão devastadores para as comunidades costeiras”, acrescentou.