Brasil

Deputado pede investigação sobre gastos do Lula Livre

Jerônimo Goergen (PP-RS) solicitou investigação por parte da Procuradoria Geral da República. Caso foi revelado por IstoÉ

Deputado pede investigação sobre gastos do Lula Livre

(10 jun) Manifestantes se reúnem em frente ao Ministério da Justiça para pedir a libertação de Lula - AFP

O deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) ingressou nesta sexta-feira (12) com pedido de investigação junto à Procuradoria-Geral da República (PGR) para que sejam analisadas irregularidades nos gastos do PT na campanha Lula Livre, ocorridas com dinheiro do fundo partidário.

O caso foi revelado por ISTOÉ na edição desta sexta-feira. Com base em notas fiscais apresentadas pelo PT junto à Justiça Eleitoral, a reportagem de ISTOÉ detectou que pelo menos R$ 1 milhão foi gasto em atos públicos ou ações que tiveram como objetivo pedir a liberdade do ex-presidente Lula, preso em Curitiba desde abril do ano passado.
As planilhas às quais ISTOÉ teve acesso somam aproximadamente 10 mil páginas. Elas revelam que a legenda bancou com a verba pública despesas de boa parte de seus dirigentes para que eles estivessem presentes em São Bernardo do Campo durante o ato de resistência à prisão de Lula, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, entre os dias 6 e 7 de abril de 2018, ou nos dias seguintes em Curitiba, para onde o petista foi levado preso. Os gastos se estenderam a eventos que pediam a libertação do petista nos meses de maio e começo de junho.

Muitas das viagens de parlamentares do PT a Curitiba para visitar Lula na cadeia, como as dos senadores Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann, também foram custeadas pela União. Do mesmo modo que as despesas com deslocamentos de Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, e da ex-presidente Dilma Rousseff, entraram na cota do dinheiro meu, seu e nosso. Um verdadeiro acinte, para dizer o mínimo.

Esse pedido de investigação foi encaminhado para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. No pedido de esclarecimentos, o deputado alerta que as atividades a serem financiadas pelo fundo partidário devem se ater a “atividades de organização meramente partidárias”. “Ao cumprimentá-la cordialmente, venho através deste, solicitar a Vossa Excelência uma investigação sobre o uso do fundo partidário para bancar a campanha ‘Lula livre’ pelo Partido dos Trabalhadores, conforme revelado em levantamento da revista IstoÉ, que relatou os gastos do PT com diárias, passagens e outras despesas ligadas a esta campanha, com recursos que devem ser utilizados apenas em atividades de organização meramente partidárias”, reforça o deputado no pedido de investigação.
As contas do partido estão sob análise do ministro Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).