Mundo

Democratas exigem documentos do secretário de Energia de Trump

Democratas exigem documentos do secretário de Energia de Trump

Investigação da Câmara de Representantes dos Estados Unidos cita o secretário de Energia, Rock Perry, para que apresente documentos. - AFP/Arquivos

Os legisladores democratas encarregados do processo de impeachment do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, exigiram nesta quinta-feira que o secretário de Energia, Rick Perry, apresente documentos ligados ao caso ucraniano.

O Comitê de Inteligência da Câmara de Representantes pediu ao secretário Perry que entregue até 18 de outubro os documentos relacionados a suas tratativas com a Ucrânia.

Os democratas na Câmara de Representantes estão investigando se Trump vinculou uma ajuda militar à Ucrânia a uma investigação de Kiev sobre seu potencial adversário Joe Biden na eleição presidencial de 2020.

A Casa Branca publicou a transcrição de um telefonema do dia 25 de julho entre Trump e o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, no qual o líder americano pedia uma investigação de Biden, cujo filho trabalhava para uma empresa de gás ucraniana.

Trump nega ter feito qualquer coisa errada, e a Casa Branca afirmou que não vai cooperar com o processo de impeachment.

“Recentemente, informes públicos levantaram questões sobre o papel do senhor na transmissão ou reforço da mensagem ao presidente da Ucrânia”, destaca uma carta do Comitê de Inteligência enviada a Perry.

“Estas informações também provocaram importantes perguntas sobre seus esforços para pressionar funcionários ucranianos a mudar a estrutura administrativa de uma companhia estatal da Ucrânia a fim de beneficiar pessoas envolvidas na campanha de Rudy Giuliani (advogado de Trump) para conseguir que funcionários ucranianos interferissem em nossas eleições de 2020”.

O comitê destacou uma informação da imprensa de que Perry teria incentivado Trump a telefonar para Zelenski, e que o secretário de Energia foi pessoalmente à posse do presidente ucraniano, em maio de 2019, no lugar do vice-presidente Mike Pence.