Economia

Demissões e fiscal pressionam juros longos; varejo melhor puxa os mais curtos

As preocupações com o cenário fiscal e as novas baixas na equipe econômica – os secretários Salim Mattar (Desestatização e Privatização) e Paulo Uebel (Desburocratização) – fazem a curva de juros inclinar, com alta maior nos longos. O miolo da curva sobe após as vendas no varejo melhores em junho, com alta de 8,00% na margem, enquanto os de curtíssimo prazo rondam a estabilidade.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Às 9h18, o DI para janeiro de 2027 subia a 6,64%, de 6,54% no ajuste anterior. O vencimento para janeiro de 2023 subia a 3,89%, de 3,81%, e o para janeiro 2022 marcava 2,73%, de 2,68%.

Já o DI para janeiro de 2021 exibia taxa de 1,875%, de 1,870% no ajuste anterior.

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

Tópicos

taxas de juros