Demanda por Home Care aumenta e inspira investimento em saúde no País

Crédito: Imagem de Rawpixel por Pixabay

(Crédito: Imagem de Rawpixel por Pixabay)


O setor de saúde é considerado pelos mercados de capitais um dos mais atraentes para investir no Brasil. A área mostrou-se capaz de suportar os desafios e as crises em recentes desacelerações econômicas. Nesse nicho, chama atenção o papel e crescimento de empresas especializadas em saúde domiciliar (Home Care) no país. “Os números do último relatório global da Home Health Care Services–INSEAD indicam que o potencial de mercado na América Latina se manterá alto e o Brasil corresponde a 33%”, afirma Ricardo Spilborghs, médico sócio-fundador da Pleno Saúde. O aumento no número de estabelecimentos que prestam serviços de Home Care se dá por algumas razões básicas: o envelhecimento da população, que demanda novos tipos de cuidados, e consequentemente, de planos e operadoras que ofereçam a cobertura deste serviço.

Além disso, há ainda uma maior necessidade de desospitalização, o que pode provocar uma redução de custos entre 30 e 50% para as operadoras de saúde. “Considerando que grande parte da população está envelhecendo com doenças crônicas/degenerativas ou sequelas de outras, as pessoas precisarão de cuidados específicos por profissionais qualificados, mas sem a necessidade de permanecer no hospital ”, explica Spilborghs. O Home Care tem como principais benefícios a redução das infecções hospitalares em pacientes crônicos com complicações (diabéticos e pacientes com sequelas neurológicas após um acidente vascular cerebral, por exemplo), e proporcionar uma maior convivência do paciente com a família e outros que façam parte do seu círculo social.

Dados recém divulgados pelo Ministério da Saúde, através do Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros (ELSI-Brasil), apontam que cerca de 70% dos idosos no Brasil possuem alguma doença crônica. Dentre as principais não transmissíveis (cardiovasculares, respiratórias crônicas, diabetes mellitus e neoplasias), existem quatro fatores de risco em comum que são: tabagismo, uso nocivo de álcool, alimentação não saudável e atividade física insuficiente.

Pesquisas prévias do Ministério da Saúde indicam que 66% dos idosos estão com excesso de peso; 57,1% possuem hipertensão; 25,1% têm diabetes; e 18,7% são obesos. Atualmente, o país conta com 29,3 milhões de pessoas na terceira idade. Em 2030, o número de idosos irá superar o de crianças e adolescentes, gerando impactos importantes na saúde e economia.

Veja também
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+Deolane Bezerra, viúva de MC Kevin, revela que fez cirurgia na vagina
+ Vídeos mostram pessoas preparando saladas com Cheetos no TikTok
+ Instituto Gabriel Medina fecha portas em Maresias
+ Mãe encontra filho de 2 anos morto com bilhete ao lado ao chegar em casa
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.