Comportamento

Degustação virtual

Chefs, sommelières e empresas enviam kits para a casa de seus clientes e os ensinam como preparar e consumir diversas iguarias gastronômicas e etílicas. Experiência caiu no gosto dos brasileiros

Crédito: GABRIEL REIS

Degustação virtual (Crédito: GABRIEL REIS)

É tempo de se reinventar. Apesar de a pandemia ter balançado o setor da gastronomia, não conseguiu derrubá-lo. Pelo contrario, o setor segue de vento em popa. Já que não podem receber clientes em restaurantes e escolas, chefs e sommelières renomados aderiram ao mundo virtual e assim mantém a área em movimento. Déco Rossi, especialista e consultor de vinhos há mais de dez anos, é um dos fenômenos da “degustação virtual”. Da sala de sua casa, ele ensina seus alunos a como identificar as qualidades das bebidas e combiná-las com os mais variados pratos, o que se chama harmonização. “Comecei no início da pandemia e foi um sucesso, as pessoas querem aprender mais porque estão bebendo mais vinho”, ressalta.

+ Degustação a distância
+ Jalisco bate recorde Guinness com maior degustação de tequila do mundo
+ Uruguai oferece degustação de carne a empresários em Tóquio

Ainda que o vinho seja a principal estrela das degustações virtuais, as comidas não ficam para trás. Empresas de eventos como a LIDE, que atua em território nacional, e diversos restaurantes badalados, oferecem serviços de café da manhã e jantares à domicílio. Além de lives que ensinam a cozinhar os petiscos. Pois não basta consumir, é preciso conhecer. O trabalho remoto é parte disso. Se antes as pessoas não tinham tempo para frequentar eventos ou cursos, agora basta dar play numa live e relaxar. “Foi muito divertido estar com os participantes ao mesmo tempo na aula”, diz a desembargadora aposentada Denise Retamero, enófila há quase 20 anos. Apaixonada pelas aulas de Déco Rossi, ela afirma que talvez transforme esse prazer em profissão. “Vou estudar mais agora, quem sabe um dia não trabalhe com isso”, conta.

Para o sushiman e sommelier de saquê Luizinho Hirata, “as pessoas nunca irão parar de comer” e, por isso, a febre gastronômica não é apenas uma tendência. Sobre a rentabilidade dos eventos, o chef mostra otimismo. “Tenho um bom lucro. Faço lives com mais de 60 pessoas ao mesmo tempo, nunca imaginei isso”, conta. As sommelières Paula Daidone e Cibele Siqueira, do grupo Wine, um dos maiores clubes de assinatura de vinhos do mundo, revelam que “os clientes constantemente pedem as lives”, sejam gratuitas ou pagas. Elas acreditam que devido ao distanciamento social, os consumidores querem a sensação de beber e comer em paz e com qualidade.

E claro, com companhia. Fica a dica. Ajeite a mesa ou sofá, reúna a família e comece a curtir as degustações virtuais.