Geral

Defesa do ex-morador de rua Givaldo Alves decide processar Instagram por bloqueio de perfil

Crédito: Reprodução/ Youtube

O ex-morador de rua Givaldo Alves de Souza, de 48 anos, que foi espancado por um personal trainer em Planaltina (DF), teve o seu perfil bloqueado, no sábado (16), da plataforma Instagram. Por causa disso, os seus advogados decidiram processar a rede social e pretendem solicitar uma indenização no valor de R$ 300 mil. As informações são do R7.

O perfil, que contava com 477 mil seguidores, era usado por Givaldo para negociar parcerias e publicidades. Segundo a sua defesa, o atual influenciador digital ganhava cerca de R$ 30 mil por semana com a rede social.


Após o bloqueio, Givaldo divulgou um vídeo no TikTok no qual afirmou que “cabeças vão rolar. Aguardem. Já que derrubaram minha conta lá na rede vizinha (Instagram), vou tirar uma folga até voltar”.

Vídeos tirados do ar

Os vídeos envolvendo a polêmica entre Givaldo, o personal trainer Eduardo Alves e a sua esposa, Sandra Mara Fernandes, foram parar na Justiça.

Em março, a Justiça do Distrito Federal determinou que o YouTube, Facebook e Instagram tirassem do ar as páginas que são usadas para difamar a imagem de Eduardo e Sandra.

A juíza Josélia Farjado decidiu no caso do YouTube que “seja determinada a imediata indisponibilização dos canais falsos e dos vídeos contendo conteúdo ofensivo, difamante, ultrajante à honra, imagem e à vida privada dos requerentes, criados na plataforma”.

Para a magistrada, os perfis falsos têm como intuito “propagar notícias falsas e distorcidas sobre um fato ocorrido com a autora e noticiado em vários jornais”.

No dia 31 de março, o Facebook e o Instagram, que pertencem à empresa Meta, foram condenados a remover ou bloquear os perfis individualizados que se faziam passar pelo casal.

Relembre o caso

No dia 9 de março, Eduardo flagrou a sua esposa, Sandra, tendo relações sexuais dentro de um carro com Givaldo Alves. O caso ocorreu em Planaltina (DF).

Por acreditar que a mulher estaria sendo vítima de um estupro, o personal espancou o homem.

Devido à grande repercussão, Givaldo concedeu algumas entrevistas. No dia 25 de março, vazou um trecho de sua entrevista para a Band TV no qual deu detalhes sobre o ato sexual.

No mesmo dia, o pai de Sandra registrou uma notícia-crime na 16ª Delegacia de Polícia (DP) contra Givaldo por difamação.

Mulher tem transtorno afetivo bipolar

Um laudo feito por médicos do Hospital Universitário de Brasília concluiu que Sandra apresenta sinais de “transtorno afetivo bipolar em fase maníaca psicótica”.

No relatório, os médicos detalharam que Sandra deu entrada no hospital psiquiátrico com alucinações auditivas, delírios, hipertimia (alteração de humor), falso reconhecimento e comportamentos desorganizados.

Eles também ressaltaram que a paciente apresentou um comportamento com “gastos excessivos, doação de seus pertences, resistência em se vestir e hiperreligiosidade”.

Pedido de desculpas

Givaldo Alves de Souza pediu desculpas pela exposição da intimidade da mulher.

Após a repercussão das falas, ele afirmou que se sente envergonhado pela situação e criticou o próprio comportamento ao expor a mulher. “Eu (queria) pedir desculpas para aquela moça antes de eu começar a falar disso”, afirmou ele em entrevista ao político Ricardo Caiafa no YouTube.

“Eu acredito realmente que a importância da mulher é a causa que existimos. Eu sei pela parte que me toca que delas viemos, para elas vivemos, com elas sofremos, e depois morremos, não existe mais nada. Se for ruim com elas, vai ser muito pior sem elas. Essa infelicidade que eu tive ao descrever a situação sem mudar nada é uma coisa muito feia. Eu me sinto envergonhado. E eu gostaria de pedir desculpas primeiramente a ela, (e depois) às meninas da minha família, à minha mãe, e a todas vocês (mulheres)”, disse.