A defesa do chileno Nicolás Zepeda tentou nesta terça-feira (5) apontar outro suspeito e apresentar novas pistas no julgamento de apelação na França pelo assassinato de sua ex-namorada japonesa, Narumi Kurosaki, em 2016.

Os advogados do acusado de 32 anos apresentaram durante a audiência em Vesoul (leste) uma conversa “inquietante” entre o último namorado de Kurosaki antes de seu desaparecimento, Arthur Del Piccolo, e um amigo japonês.

Enquanto este último, Shintaro Obata, expressa preocupação por não ter notícias da jovem de 21 anos em 2016, Del Piccolo parece encarar a ausência com tranquilidade, apesar da relação próxima entre os dois.

“Parece engraçado, na verdade. É como se ela tivesse coisas a esconder. Eu gostaria que houvesse algo, como nos filmes e essas coisas”, escreve o francês em uma mensagem de celular.

Mas quando Obata, que morava na mesma residência estudantil em Besanzón (leste) que Kurosaki, promove a redação de uma nota para alertar as autoridades sobre o desaparecimento, o então namorado o repreende.

“Eu sei que você quer ajudar, mas isso pode ter um impacto negativo. Sou duro, mas você não deve fazer isso”, escreve em outra mensagem, lida perante o tribunal pelo advogado de defesa Sylvain Cormier.

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

Interrogado no Japão, Shintaro Obata afirmou que Del Piccolo estava “por alguma razão” de “mau humor” sobre o conteúdo da nota. Por fim, seria enviada outra cujo “principal autor foi Arthur”, esclareceu.

“Arthur não se preocupou com o desaparecimento de Narumi, mas quando precisam redigir uma nota, ele é quem quer fazer isso”, destacou Cormier, semeando dúvidas sobre Del Piccolo, que será interrogado em 12 de dezembro.

As quatro testemunhas do Japão interrogadas nesta terça abordaram os gritos ouvidos na madrugada de 5 de dezembro de 2016 na residência estudantil, que, segundo a promotoria, vinham do quarto de Kurosaki.

E três delas também falaram do “assédio” que Zepeda teria praticado após o rompimento dois meses antes de seu desaparecimento, levando-o até mesmo a “infiltrar-se” na conta do Facebook de sua ex-namorada.

O julgamento pelo assassinato de Narumi, cujo corpo nunca foi encontrado, está previsto para terminar em 22 de dezembro. Nicolás Zepeda recorreu de uma sentença de primeira instância em 2022 de 28 anos de prisão.


Siga a IstoÉ no Google News e receba alertas sobre as principais notícias