Geral

Decotelli cobra R$ 3,1 milhões em ação por danos morais contra a FGV

Crédito: Reprodução/ Twitter

O ex-ministro da Educação Carlos Alberto Decotelli entrou com uma ação no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro na quinta-feira (13) contra a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O economista e professor cobra danos morais e materiais — em um total de R$ 3,1 milhões — após a FGV informar que Decotelli não fez parte do seu corpo docente. As informações são do Blog do Ancelmo, do jornal O Globo.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

A defesa do ex-ministro, que ocupou o cargo por apenas 5 dias, anexou, como prova de que lecionou na instituição, o anúncio feito pela FGV de um webnar em que participaria o “professor Decotelli”. O ex-ministro diz ainda que a alegação da FGV “gerou o afastamento do honroso cargo de ministro da Educação”.

Decotelli não chegou a, de fato, comandar o ministério, pois desde o período em que foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro até o dia em que entregou sua carta de demissão a pedido do Palácio do Planalto, recebeu uma série de contestações de universidades estrangeiras e da FGV – o que inviabilizou a posse como ministro.

O primeiro apontamento de inconsistências acadêmicas foi feito pela Universidade Nacional de Rosário, na Argentina. O reitor Franco Bartolacci disse que a tese de doutorado de Decotelli na instituição foi reprovada, portanto, ele não obteve o título de doutor na instituição argentina. Em seguida, foi a vez de a Universidade de Wuppertal, na Alemanha, também afirmar que Decotelli não fez pós-doutorado na instituição.

Apesar das inconsistências apontadas pelas universidades estrangeiras, além da acusação de plágio na dissertação de mestrado, Jair Bolsonaro ainda cogitava manter Decotelli no Ministério da Educação. Mas a nota da FGV contestando Decotelli o fragilizou ainda mais. Em nota, a fundação informou que Carlos Alberto Decotelli não foi pesquisador ou professor da instituição, apenas atuou como colaborador.

Decotelli se pronunciou sobre todos os casos e disse que mudaria o currículo para “dirimir quaisquer dúvidas”. Agora, com o documento atualizado novamente, Decotelli dá destaque à sua passagem no Ministério da Educação como ministro e como presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, cargo ocupado entre 5 de fevereiro de 2019 até 29 de agosto do mesmo ano.

* Com informações da Agência Estado

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea