Esportes

De olho em Tóquio-2020, Scheidt inicia aclimatação para Mundial da Classe Laser

Com o objetivo de se classificar para sua sétima Olimpíada da carreira – o que seria um recorde no esporte brasileiro -, Robert Scheidt embarcou nesta segunda-feira para a cidade de Sakaiminato, no Japão, onde fará um período de aclimatação antes da estreia no Mundial da Classe Laser, que começará no dia 4 de julho. O bicampeão olímpico vai em busca da classificação para representar o Brasil nos Jogos de Tóquio, em 2020. Para atingir seu objetivo, precisa ficar no Top 18 da competição que reunirá 160 barcos.

“É uma viagem longa, dura e com muito fuso. Por isso, vou chegar uma semana antes para fazer uma boa aclimatação. Afinal, sempre é um desafio saber dosar o quanto treinar antes para chegar bem preparado e não muito cansado. Além disso, fazer um bom reconhecimento da raia é importante”, explicou o maior medalhista olímpico do Brasil, com cinco pódios.

Scheidt chega para o Mundial embalado pelo título do Europeu da Classe Star. “Apesar de ser outra categoria, é sempre bom voltar a vencer uma competição grande e de alto nível. Isso motiva bastante para essa reta final de preparação para o Mundial. Foi uma emoção grande”, contou Scheidt, que formou dupla com Henry Boenning, o Maguila, no campeonato disputado no Lago Di Garda, na Itália, onde mora com a família e de onde embarcou diretamente para o Japão.

O bicampeão olímpico vai em busca da sexta medalha, a quarta na classe Laser, na qual acumula os ouros em Atlanta-1996 (Estados Unidos) e Atenas-2004 (Grécia) e uma prata em Sidney-2000 (Austrália). Pela Star, faturou uma prata em Pequim-2008 (China) e um bronze em Londres-2012 (Inglaterra).

O Mundial será a terceira grande competição de Scheidt em seu retorno à classe Laser neste ano. Entre o final de março e início de maio, disputou o Troféu Princesa Sofia, na Espanha, e a Semana de Vela de Hyères, na França.

O brasileiro tem apresentado evolução constante na classe Laser. Em ambas as disputas, ficou a apenas uma posição da “medal race”. “Tenho trabalho muito para melhorar a velejada e tenho conseguido evoluir em vários aspectos. As largadas, por exemplo, são um ponto muito importante”, afirmou.