Brasil

Datafolha mostra divisão do eleitorado sobre Bolsonaro

Datafolha mostra divisão do eleitorado sobre Bolsonaro

Jair Bolsonaro em 20 de maio de 2019 - AFP

SÃO PAULO, 08 JUL (ANSA) – Pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha nesta segunda-feira (8) mostra que tanto a aprovação quanto a reprovação do governo Jair Bolsonaro oscilaram para cima desde abril.

Segundo o levantamento, 33% consideram a atual gestão “ótima ou boa”, contra os 32% da última sondagem, enquanto o índice de “ruim ou péssimo” saiu de 30% para os mesmos 33%.

Já aqueles que consideram o governo Bolsonaro regular oscilaram de 33% para 31%, enquanto os que não sabem ou não responderam saíram de 4% para 2%. A pesquisa foi realizada entre 4 e 5 de julho e ouviu 2.086 eleitores, com margem de erro de dois pontos percentuais.

De acordo com o instituto, esse é o índice mais baixo de aprovação para um presidente nos seis meses iniciais de seu primeiro mandato desde a redemocratização. O recorde negativo anterior era de Fernando Collor, com 34% de “ótimo ou bom”. Já Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff registraram índices de 40%, 42% e 49%, respectivamente.

Ainda segundo o Datafolha, 61% consideram que Bolsonaro fez pelo país “menos do que esperava”, 12%, “mais do que esperava”, e 22%, “o que esperava que ele fizesse. Apesar disso, 51% ainda esperam que Bolsonaro faça um governo “ótimo ou bom”, 21%, “regular”, e 24%, “ruim ou péssimo”. (ANSA)

Veja também

+ Entenda como a fase crítica da pandemia de Covid-19 pode ter sido superada em SP
+ Fotos íntimas de apresentadora italiana são vazadas em aplicativos de mensagens no Brasil
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Após se aposentar da Globo, Sérgio Chapelin aparece com novo visual; veja
+ Nick Cordero morre aos 41 anos, vítima de complicações da Covid-19
+ Ford Ranger supera concorrentes e é líder de vendas
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior