Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

A poucos dias para a escolha do prefeito de São Paulo, o instituto Datafolha divulgou mais uma pesquisa. No levantamento, Bruno Covas (PSDB) possui 54% dos votos válidos, enquanto Guilherme Boulos (PSOL) ficou com 46%.

A diferença entre o tucano e psolista, que era de 16 pontos em pesquisa da última pesquisa, divulgada há mais de uma semana, agora caiu pela metade, com os dados divulgados nesta quinta-feira (26).

Apesar do avanço de Boulos, o levantamento divulgado na última segunda-feira (23) indica que a situação é estável. Para a amostra, o instituto em parceria com a TV Globo ouviu 1.512 eleitores, com uma margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Vale lembrar que o método utilizado na pesquisa exclui, como acontece na totalização da Justiça Eleitoral no dia da eleição, os votos nulos e brancos. Além disso, estão de fora os indecisos.

Outro ponto de destaque do estudo é de que, até o momento, 84% dos ouvidos dizem estar certos de seu voto e 15%, podem mudar. Desse grupo, 55% migrariam para anular ou votar em branco, 19% escolheriam Boulos e 17%, Covas.

Entre os que votam no PSOL, 87% se dizem certos e 13%, podem mudar –desses, 59% estariam propensos a anular ou votar em branco e 37% migrariam para Covas.

No grupo tucano, 83% dizem que confirmarão o apoio ao prefeito e 17%, que teriam outra opção: anular ou votar em branco (62%) ou apoiar Boulos (37%).

Boulos possui mais popularidade entre os mais jovem, enquanto Covas tem mais apelo com os eleitores mais velhos.

Quando a modalidade da pesquisa são as categorias o PSOL faz 65% a 35% dos válidos em comparação com Covas entre estudantes, mas eles são só 2% da amostra. Já o tucano bate Boulos por 67% a 33% entre aposentados, que são 13% do universo.

Um dos questionamento utilizado pelo Datafolha foi sobre a importância partidária e programática na hora de decidir seus votos.

Para 83%, são as propostas dos candidatos que valem mais, enquanto 8% apontam o partido do postulante. Para 4%, ambas as coisas são importantes e 6%, não souberam responder.