Dane-se a nova internação de Bolsonaro. Há milhões em situação muito pior

Dane-se a nova internação de Bolsonaro. Há milhões em situação muito pior

Em todo o mundo a inflação deu as caras, é verdade, mas apenas dois países (Argentina e Turquia), dentre as 20 maiores economias, estão em situação pior do que a nossa. Ou seja, o Brasil não está sofrendo apenas com as consequências do desarranjo macroeconômico advindo da pandemia do novo coronavírus, não.

Veja também

+ Que o homofóbico vá pedir emprego a Bolsonaro e viver na Bolsolândia, longe da civilização
+ Sem saber que está ao vivo, Bolsonaro fala sobre propina e ‘preço’ de vaga no STF
+ Marisa Orth é detonada por postar vídeo em que Marília Mendonça critica Bolsonaro

O real brasileiro é a terceira moeda que mais desvalorizou perante o dólar americano desde o início de 2020, quando a Covid-19 se espalhou pelo globo terrestre. Apenas a Lira turca e a Naira, da Nigéria, perderam mais valor. E o culpado dessa catástrofe tem nome – Jair – e sobrenome – Bolsonaro. É o verdugo do Planalto.

Negacionismo, golpismo e irresponsabilidade fiscal: eis o trinômio do mal, criado e ‘tocado’, com requintes de crueldade, pelo amigão do Queiroz e seu posto Ipiranga. Ambos seguem destruindo empregos e renda, ao mesmo tempo em que chafurdam no populismo eleitoral e na agenda do fim do mundo imposta pelos corruptos do centrão.

Jair Bolsonaro, o patriarca do clã das rachadinhas, encontrou o dólar americano, no começo de seu desgoverno, valendo menos que R$ 4. Porém, após sucessivas investidas contra o STF, o Congresso e as eleições, e a política homicida de combate às medidas sanitárias, o câmbio explodiu e hoje, diante do desarranjo fiscal, flerta com os R$ 6.

O dólar é o principal indexador da economia brasileira. Os alimentos seguem a moeda norte americana; as commodities, também. E os preços do setor de energia (petróleo, gás, luz…) igualmente oscilam de acordo com o câmbio. O resultado é uma inflação estratosférica e a volta da miséria em larga escala no País. É o efeito causado pelo ‘mito’.

O dólar poderia – e deveria! – estar na casa dos R$ 4,50. Mas está 25% mais ‘bolsocaro’. E nada indica que irá recuar enquanto este psicopata incapaz continuar brincando de governar o Brasil. Basta observar o que tem feito nos últimos dias, se divertindo na praia e no parque Beto Carrero, ao mesmo tempo em que a Bahia derrete sob chuvas torrenciais.






Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.