Cultura

Da briga entre o nacionalista e a vanguardista sobreviveu a arte

Lido cem anos depois, o polêmico artigo de Monteiro Lobato publicado nas páginas do jornal O Estado de S. Paulo, em 20 de dezembro de 1917, não parece tão hostil quanto desejariam os opositores dos modernistas que começavam a sacudir a Pauliceia – na época, nem tão desvairada quando gostaria Mário de Andrade. Há nele, claro, afirmações que hoje, depois de tanto estudos sobre as relações entre doença mental e criatividade, não podem mais ser levadas a sério. Lobato diz, por exemplo, que a única diferença existente entre as telas expressionistas de Anita Malfatti e os desenhos “que ornam as paredes internas dos manicômios” é que nos manicômios “esta arte é sincera, produto ilógico de cérebros transtornados pelas mais estranhas psicoses”.

Para Lobato, nas exposições de vanguarda que chegavam ao Brasil – e Anita já havia feito uma exposição individual aqui, em 1914 – não havia sinceridade nenhuma. “Nem nenhuma lógica, sendo mistificação pura”, acrescenta o criador de Jeca Tatu, notando nela “acentuadíssimas tendências para uma atitude estética forçada no sentido das extravagâncias de Picasso e companhia”.

“Futurismo, cubismo, impressionismo e tutti quanti não passam de outros tantos ramos da arte caricatural”, decreta Monteiro Lobato, desclassificando a admiração da pintora por um colega cubista norte-americano convidado por ela ao lado de outros dois artistas (Floyd O’Neale e Sara Friedman) para expor em sua mostra brasileira. Nela, Anita exibiu 53 obras suas, entre gravuras, desenhos e pinturas hoje históricas – três delas reproduzidas nesta página, O Farol de Monhegan (1915), A Mulher de Cabelos Verdes (1915/16) e O Japonês (1915/16).

Em sua revisão do processo embrionário do Modernismo de 22, o crítico Tadeu Chiarelli chama a atenção para as pinturas que Anita produziu antes da publicação da crítica de Lobato. Ao se instalar em Nova York em 1915, Anita levava na bagagem cultural as lições que aprendera na Alemanha, ao frequentar a Academia de Belas Artes de Berlim. Seus professores, Lovis Corinth (1858-1925) e Ernst Bischoff-Culm (1870-1917), evoluíram da escola impressionista para a expressionista, influenciando decididamente a escolha de Anita pela última, o que a passagem por Nova York só fez reforçar, como prova a tela O Farol de Monhegan.

A novidade não agradava a elite paulistana, submissa aos padrões impostos pela pintura francesa ou italiana, as duas culturas predominantes entre os cultos da Capital. A primeira exposição individual brasileira de Anita, na Mappin Stores, em 1914, era composta, segundo relato da artista, por pinturas expressionistas feitas no ateliê alemão de Corinth. Depois, ao estudar em Nova York com Homer Boss (1882-1956), na Independent School of Art, esse interesse cresceu, graças ao espírito aberto do mestre americano, sintonizado com o expressionismo alemão e favorável à livre expressão gestual de seus alunos – nunca esquecendo que Anita, que nasceu com uma atrofia no braço e na mão direita, jamais se sentiria tão livre como no período americano, em que Boss levava os alunos para o Maine, desafiando-os a recriar a paisagem (note a liberdade cromática de O Farol de Monhegan e o respeito à autonomia da pintura em relação ao tema).


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Monteiro Lobato, pintor de fim de semana, não viu com bons olhos essa “sedução” de Anita pelas teorias modernistas “importadas”. O escritor, pai de Jeca Tatu, era nacionalista. Mas a intenção de Anita, ao organizar a exposição de 1917, não era a de provocar polêmica, como garantiu sua biógrafa Marta Rossetti Batista (1940-2007). Tanto que, conhecendo o conservadorismo do público paulistano, se absteve de mostrar os nus masculinos que fez nos EUA. Seu objetivo, ainda segundo a biógrafa, era puramente didático, ao incluir na mostra um colega americano cubista atacado por Lobato em seu artigo – e essa inclusão tinha mais de um motivo, o principal deles ligado a uma questão de insegurança, pois Anita queria mostrar que não estava sozinha em sua viagem experimental. Outro agravante: ela era uma mulher pintora que desafiava não só a ordem acadêmica como as regras sociedade patriarcal.

A sorte de Anita foi ter encontrado em Mário de Andrade e Oswald de Andrade dois aliados que defendiam os mesmos ideais e o distanciamento da tradição realista. Sem eles, São Paulo dificilmente teria ingressado na modernidade.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel