Economia

CVM absolve ex-administradores da Taurus em caso envolvendo contratos de mútuo

O colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) absolveu um grupo de 13 ex-administradores da Forjas Taurus acusados de irregularidades na celebração e monitoramento de contratos de mútuo com a Wotan Máquinas. Desde 2004, o parque industrial da empresa estava arrendado por uma controlada da fabricante de armas de fogo com o objetivo de desenvolver seu segmento de máquinas.

O processo foi aberto em 2014 pela CVM a partir de denúncia do então conselheiro da companhia, Manuel Jeremias Leite Caldas, de que a Taurus Máquinas fez um empréstimo para a Wotan em 2004, após o arrendamento, sem obter remuneração adequada pela operação.

A área técnica da CVM concluiu que as operações de mútuo foram realizadas com encargos financeiros inferiores aos praticados no mercado e que, a partir de janeiro de 2011, deixaram de ser periodicamente calculados e cobrados.

Apesar das acusações, o diretor Gustavo Gonzalez, relator do caso, considerou em seu voto que os empréstimos feitos pela diretoria não podiam ser vistos de maneira isolada, como uma liberalidade ou desvio de caixa. Isso porque diante da situação financeira delicada da Wotan, os mútuos eram fundamentais para o desenvolvimento das atividades do Segmento Máquinas da Taurus. A eventual quebra da Wotan traria efeitos negativos para a companhia, por isso o financiamento era justificado.

Em relação ao conselho de administração, Gonzalez destacou que não houve um sinal de alerta que justificasse um monitoramento mais intensivo com relação às condições e ao acompanhamento dos mútuos.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

“É razoável que o conselho de administração, a quem compete ‘fixar a orientação geral dos negócios da companhia’, encarasse os empréstimos para a Wotan dentro de um contexto maior: a viabilidade do Segmento Máquinas e a proteção da companhia quanto a riscos de sucessão em caso de falência da Wotan”, disse em seu voto, acompanhado pelos demais diretores do colegiado.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Ticiane Pinheiro posa de maiô decotado e internautas suspeitam de gravidez
+ Denise Dias faz seguro do bumbum: “Meu patrimônio”
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel