Mundo

Curdos da Síria apedrejam os blindados de uma patrulha russo-turca

Curdos da Síria apedrejam os blindados de uma patrulha russo-turca

Manifestantes curdos lançam pedras contra veículos de patrulha militar russo-turca no nordeste da Síria, em 8 de novembro de 2019

Um grupo de curdos lançou nesta sexta-feira pedras contra os blindados de uma patrulha russo-turca, que atropelaram e mataram em sua passagem um dos manifestantes opostos à presença militar da Turquia no nordeste da Síria.

Um pequeno grupo de curdos se reuniu perto da localidade de Maabda, não muito longe da fronteira com a Turquia, e lançou pedras e sapatos contra o comboio, informaram correspondente da AFP no local.

Um dos veículos militares atropelou um jovem, que foi levado a um hospital da cidade vizinha de Derek. “Morreu de uma hemorragia interna”, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

A Turquia lançou em 9 de outubro uma ofensiva no norte da Síria para afastar de sua fronteira a milícia curda das Unidades de Proteção Popular (YPG).


+ Advogada é morta e tem corpo carbonizado no Rio de Janeiro
+ Morre Liliane Amorim, influencer de Juazeiro do Norte, após complicações da realização de lipoaspiração

A operação foi suspensa após um acordo negociado por Ancara, primeiro com Washington, e depois com Moscou em 22 de outubro, embora continue havendo combates esporádicos.

Em virtude do acordo com Moscou, as forças curdas abandonaram suas posições na fronteira e o exército turco e o russo começaram a patrulhar conjuntamente.

Os habitantes curdos se opõe à presença militar turca no nordeste da Síria.

A ofensiva matou dezenas de civis e deixou milhares de deslocados. Com essa operação, a Turquia tomou o controle na sua fronteira de uma faixa de território de 120 km de extensão e 30 de largura, da cidade de Tal Abyad até Ras al Ain.

No longo prazo, Ancara deseja estabelecer uma “zona de segurança” no norte sírio, com o objetivo de instalar ali dois milhões de sírios refugiados na Turquia.

A intervenção de Moscou, aliado do regime sírio, foi decisiva para manter o cessar-fogo. Aconteceu depois de uma aproximação inédita entre as forças curdas e o regime, que mobilizou seu exército nas regiões do norte sírio que não controlava há anos.

Desde 2011, a guerra na Síria deixou mais de 370.000 mortos e milhões de deslocados.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ 7 tendências de design de interiores que vão bombar em 2021
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel