Cuidado, Mourão: investidores sabem muito bem o que acontece na Amazônia

Crédito: Antonio Cruz/ Agência Brasil

(Crédito: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

O vice-presidente Hamilton Mourão, que também preside o Conselho da Amazônia, deve se encontrar amanhã com investidores estrangeiros que reclamam do governo brasileiro um maior rigor no combate ao desmatamento.

A reunião acontecerá um dia antes de o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgar oficialmente os números da devastação em junho. Uma prévia foi apresentada hoje pelo jornal Valor Econômico, e mostra o pior índice dos últimos cinco anos: quase 3.000 quilômetros quadrados de desmatamento.

Em junho, Mourão ignorou os números do Inpe para passar uma imagem edulcorada do problema. Em tom de “missão cumprida”, disse que a devastação da Amazônia Legal estava caindo, quando os dados não autorizavam essa conclusão. Nem é preciso dizer que a repetição dessa estratégia será desastrosa.

Ainda que não brigue com os números do Inpe, Mourão talvez insista no discurso que vem adotando, segundo o qual a percepção negativa sobre o Brasil é fruto de um certo grau de desinformação, da falta de uma visão completa sobre o que está acontecendo. Mourão tem acesso permanente à ministra da Agricultura Tereza Cristina, e deve saber que esse também não é um caminho promissor. Funciona com bolsonaristas, pode até funcionar com um público leigo, mas terá eficácia zero com grandes investidores.

Tive a oportunidade de conhecer com algum detalhe o trabalho de uma trader de grãos no campo da sustentabilidade. Ele envolve acompanhamento por satélite das propriedades de onde os grãos são comprados, análise permanente de documentação e visitas diretas aos produtores. Não falta rigor ao trabalho. A empresa nem sequer se aproxima de agricultores instalados na fronteira da Amazônia, por saber que a certificação do produto, a garantia de  que ele não foi colhido em áreas ilegais, será sempre problemática.

+ Consulado chinês nos EUA é fechado e provoca nova crise
+ As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

Digo isto para mostrar que a premissa da desinformação é falsa. Na verdade, que o nível de informação dos mercados estrangeiros sobre as áreas de plantio e preservação brasileiras é bastante elevado – e não depende apenas de dados fornecidos pelo governo. Lero-lero não cola. Medidas concretas serão necessárias para aumentar a confiança no Brasil. O decreto em preparação pelo governo federal, impondo uma moratória de quatro meses às queimadas legais, vai nessa direção. Mas sem fiscalização e sem punição aos transgressores, as leis viram letra morta.

É justamente aí que o governo Bolsonaro sai da linha. Até agora, tudo que ele fez foi no sentido de aleijar os órgãos de fiscalização e controle, e acolher sob as suas asas os desmatadores, com seus tratores, serras elétricas e caminhões. Segundo a edição de hoje do jornal O Estado de S. Paulo, Mourão vai fazer um mea culpa no seu encontro com os investidores, mas não vai se comprometer com metas. Desconfio que não vai ser suficiente.

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.