Mundo

Croácia se defende das acusações de ser dura com migrantes

Croácia se defende das acusações de ser dura com migrantes

Andrej Plenkovic - AFP

A chegada da Croácia em janeiro à presidência semestral da União Europeia aumenta o interesse e a suspeita sobre o tratamento reservado aos migrantes, contra os quais não haveria dúvida de uso de violência policial para impedi-los de entrar no país.

Há três anos, a polícia croata tem sido acusada de quebrar os celulares dos migrantes, roubar seus sapatos ou dinheiro ou expulsá-los ilegalmente para a Bósnia.

Desde 2015, a União Europeia, que enfrenta uma onda migratória, tem disputas internas sobre como distribuir os migrantes entre os países do bloco.

A Croácia não está tão exposta à chegada massiva de migrantes quanto a Grécia ou a Itália. O país entrou na UE em 2013, mas ainda não faz parte do espaço de Schengen de livre circulação, um dos objetivos do governo. Possui uma fronteira com a Bósnia e a Sérvia, localizada ao sul da chamada “rota dos Balcãs”, por onde passam os migrantes.

A Comissão Europeia expressou em outubro sua satisfação com a política da Croácia em suas fronteiras e disse que o país atende às “condições necessárias” para entrar no espaço Schengen.

A decisão deve ser aprovada por unanimidade pelos países membros. O primeiro-ministro croata, Andrej Plenkovic, disse a repórteres nesta semana que ingressar no espaço Schengen faz parte das prioridades de seu governo.

Ele também rejeitou as acusações de supostos abusos por parte da polícia de fronteira, denunciados por migrantes, ONGs e jornalistas que recentemente revelaram expulsões ilegais de migrantes de países asiáticos, Oriente Médio e Norte da África.

Segundo Andrej Plenkovic, essas são “acusações” não comprovadas e, embora tenha reconhecido alguns “incidentes”, considerou que “não são uma política ou uma intenção”. “Cada denúncia é verificada corretamente”, assegurou.

Em seu relatório de 2018, a mediadora croata de direitos humanos indicou que o Ministério do Interior havia “ilegalmente” parado de enviar informações sobre incidentes na fronteira.

Também informou que recebeu uma carta anônima em março de um policial confirmando expulsões ilegais de migrantes sem processo administrativo, bem como o confisco de objetos de valor e tratamentos violentos.

O próximo relatório da mediadora de direitos humanos será publicado em março.

Outros funcionários do governo rejeitaram as acusações contra alguns dos 6.500 policiais mobilizados na fronteira.

“Não é como se estivéssemos falando de menores. Todos são homens na casa dos vinte ou trinta anos. Eles parecem militares. Existem tantos que não podemos evitar brigas entre eles e a polícia”, disse uma autoridade croata que não quis se identificar.

Todos os meses, a polícia croata intercepta uma média de 1.200 migrantes ilegais, segundo dados oficiais. Até 2015, a maioria dos migrantes vinha da Síria e Afeganistão, mas agora os paquistaneses são os mais numerosos.

Segundo Michael Leigh, analista do grupo de reflexão do Fundo Alemão Marshall, a Croácia protege bem suas fronteiras, mas também deve respeitar os direitos humanos.

“Muitos observadores acreditam que a Croácia tem que fazer esforços consideráveis para melhorar seu comportamento em termos de direitos humanos, especialmente em relação aos migrantes, a fim de se juntar ao espaço Schengen”, disse ele.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel