Brasil

Crises desnecessárias

Diplomata é demitido após postar textos críticos ao chanceler Ernesto Araújo e ao ideológo Olavo de Carvalho, enquanto Sergio Moro é obrigado a recuar na nomeação de conselheira

Crédito: Roque de Sá

CAÇA ÀS BRUXAS Afastado, o embaixador Paulo Roberto de Almeida estrilou: “não tenho a menor ideia do que seja essa coisa“ (Crédito: Roque de Sá)

Quando o ministro das Relações Exteriores (MRE), Ernesto Araújo, foi indicado para o cargo pelo ideólogo Olavo de Carvalho, imaginava-se que o poder do escritor brasileiro radicado nos Estados Unidos, ficaria restrito à algumas indicações ou a um ou outro pitaco na política do governo. No entanto, a demissão do embaixador Paulo Roberto de Almeida, na segunda-feira 4 do cargo de diretor do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais (Ipri), órgão vinculado ao MRE, mostra que há um sério conflito ideológico no Itamaraty, sob orientação do escritor, que teria muito mais força na condução da política externa brasileira do que se julgava. Toda a confusão ocorreu quando o embaixador Almeida postou, em seu blog pessoal, textos críticos à condução da política externa, com trechos de uma palestra do ex-ministro Rubens Ricupero e de um artigo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso a respeito da Venezuela. A publicação dos textos foi vista pelo chanceler Ernesto Araújo como uma crítica indireta ao seu trabalho.

ACABOU  Moro é obrigado por Bolsonaro a demitir uma conselheira ligada à esquerda: fim à prometida carta branca (Crédito: Rafael Andrade/Folhapress)

Personalidade bizarra

O problema é que a gama de críticas à política externa acabou incomodando também Olavo de Carvalho. Após ser exonerado do Ipri, o embaixador fez críticas ao atual chanceler em seu blog, alegando que Araújo fora indicado para o cargo não por sua capacidade técnica, mas por sua ligação íntima com os filhos do presidente e com Olavo. “Adicionalmente, meu blog trouxe críticas a uma personalidade bizarra do momento político, totalmente inepta em matéria de relações internacionais, mas ao que parece grande eleitor nas circunstâncias atuais”, disse.

O embaixador deixou claro que sua exoneração foi pedida por Olavo de Carvalho. “O fato de eu ter ofendido o ‘Professor’ foi demais para o chanceler. Ele não suportou minha ironia corrosiva contra a suprema ignorância demonstrada pelo sofista da Virgínia em matéria de comércio internacional”, complementou o embaixador. Em uma lavação de roupa suja, Almeida afirmou que até o momento Ernesto Araújo não definiu quais seriam as principais diretrizes da política externa. “Eu até gostaria de escrever alguma coisa a respeito da ‘nova política externa’, mas não tenho a menor ideia do que seja essa coisa”, atacou. “O que temos até aqui são invectivas contra o globalismo, o climatismo, as migrações, o marxismo cultural, a ideologia do gênero e outras bobagens”, complementou Almeida.

Internamente, integrantes do Itamaraty destacam que o embaixador foi corajoso em expor uma situação que tem tirado o sono de outros diplomatas. Eles alegam que de fato o chanceler ainda não definiu qual é o foco da política externa e garantem que dentro do órgão vive-se um clima de “caça às bruxas”. Se isso não bastasse, os próprios integrantes do governo foram protagonistas, na semana passada, de mais uma trapalhada. O ministro da Justiça, Sergio Moro, foi obrigado pelo presidente a demitir do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária a advogada Ilona Szabó, que ele mesmo havia nomeado. Bolsonaro obrigou o ministro a voltar atrás depois de ter sido pressionado por seguidores nas mídias sociais que identificaram a advogada como ligada à esquerda, numa demonstração cabal de que a “carta branca” dada a Moro só valerá quando ele tomar decisões do agrado do presidente.

Tópicos

Ernesto Araújo