Agronegócio

Crédito para recuperar cafezais deve aumentar de R$ 10 mi para R$ 150 mi, diz CNC

São Paulo, 25 – Os produtores de café querem elevar a linha de crédito para recuperação de lavouras danificadas dos atuais R$ 10 milhões para R$ 150 milhões. Os recursos são do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), e a medida será analisada, na quinta-feira, 26, pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), informa o Conselho Nacional do Café (CNC).

O presidente do CNC, Silas Brasileiro, confirmou em comunicado o encaminhamento de voto nesse sentido após reunião, na tarde de ontem, com Marcos Montes e Silvio Farnese, respectivamente secretário Executivo e diretor do Departamento de Comercialização e Abastecimento do Ministério da Agricultura.

A demanda da produção surgiu após as primeiras análises do impacto da estiagem e das altas temperaturas, em agosto e setembro, no cinturão cafeeiro do Brasil, principalmente em áreas de Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo, os três maiores Estados produtores no País, além do Paraná.

“Nossas cooperativas e empresas de assistência técnica e extensão rural vêm apurando o real impacto que essa adversidade climática causará, mas é certo que teremos perdas consideráveis na safra 2021, por isso pleiteamos mais capital a esses produtores que tiveram suas lavouras atingidas”, explica Brasileiro na nota.

O CMN realizará reunião ordinária na quinta e a expectativa é que aprove o voto agrícola demandado pelo setor. “A elevação dos recursos não envolverá outras fontes que não o Funcafé, pois solicitamos o remanejamento de capital não utilizado de outras linhas, como do Financiamento para Aquisição de Café, da Comercialização e do Capital de Giro, que serão realocados proporcionalmente do saldo remanescente para a de Recuperação dos Cafezais”, detalha o dirigente.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Além da ampliação do valor total, o setor também solicita a elevação de R$ 3 mil para R$ 8 mil por hectare, até R$ 200 mil por tomador, montante que é mais condizente com a realidade dos custos com a poda e os tratos culturais, medidas necessárias para a revitalização das lavouras impactadas.

Segundo o presidente do CNC, se a medida for aprovada pelo CMN, o produtor que desejar tomar os recursos deverá se enquadrar nas especificações do Manual de Crédito Rural. “Será necessária a apresentação de um laudo técnico, o qual delimite a área prejudicada, a intensidade das perdas decorrentes das adversidades climáticas e que identifique a forma de recuperação da capacidade produtiva dos cafezais”, conclui.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Ticiane Pinheiro posa de maiô decotado e internautas suspeitam de gravidez
+ Denise Dias faz seguro do bumbum: “Meu patrimônio”
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel