Economia

CredHome: Selic deve provocar pouca ou nenhuma alteração no mercado imobiliário

A decisão de corte na Selic para 2% publicada nesta quarta-feira, 5, pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (COPOM) deve provocar pouca ou nenhuma alteração nas taxas praticadas no mercado de crédito imobiliário, de acordo com a CredHome.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Para Bruno Gama, presidente (CEO) da CredHome, “os players de crédito imobiliário já estão operando com taxas mínimas a partir de 6,95% ao ano e, se fizerem alguma movimentação no sentido de redução, deve ser pequena e pontual”, apontou.

O Copom do Banco Central decidiu nesta quarta-feira, 5, por unanimidade, reduzir a Selic (a taxa básica de juros da economia) em 0,25 ponto porcentual, de 2,25% para 2,00% ao ano. Este é o nono corte consecutivo da taxa no atual ciclo.

Segundo a CredHome o corte hoje da Selic deve encerrar o ciclo de redução da taxa básica de juros iniciado no ano passado e intensificado em função da crise econômica provocada pela pandemia de covid-19.

Veja também

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Morre mãe de Toni Garrido: “Descanse, minha rainha Tereza”

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea