Esportes

CRB supera Operário no Rei Pelé e entra na briga pelo G-4 da Série B

O CRB enfim fez um jogo convincente desde que Léo Gamalho deixou a equipe para atuar no exterior. O time alagoano derrotou o Operário pelo placar de 4 a 1 na noite deste sábado, no estádio Rei Pelé, pela 17ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o CRB subiu para a sétima posição, com 23 pontos, quatro a menos do que a Ponte Preta, na quarta colocação. O Operário, por outro lado, caiu para nono, com 22, perdendo grande oportunidade de encostar no G-4.

O primeiro tempo foi movimentado. Apesar de ambas equipes adotarem uma marcação forte, CRB e Operário criaram boas oportunidades. O time alagoano começou mais atento e foi logo exigindo uma grande defesa de Thiago Braga, em tentativa de Alisson Safira. Na sobra, Reginaldo Júnior chutou para fora. Mas a pressão deu resultado. Reginaldo Lopes fez bela jogada pela direita e cruzou rasteiro. Bill só empurrou.

+ “Filho é um inferno e atrapalha”, diz Fábio Porchat sobre não querer ser pai

O gol não abalou o Operário, que conseguiu se desvencilhar da marcação para ameaçar. Em chute rasteiro de Clayton, Victor Souza se esticou todo para evitar o gol. O empate, no entanto, veio aos 26. Marcelo cobrou falta para Pedro Ken, que antecipou ao zagueiro Gum e mandou para o fundo das redes.

Os minutos finais foram de muita reclamação por parte do CRB. Primeiro, o time alagoano pediu pênalti em cima de Diego Torres. Na sequência, pediu expulsão de Clayton, após falta por trás em Moacir, e questionou um gol invalidado pela arbitragem, de Alisson Safira, na última chegada da equipe.

O segundo tempo foi todo do CRB. Antes mesmo de completar o primeiro minuto, Pablo Dyego recebeu pelo lado direito e bateu com categoria, no ângulo, para fazer 2 a 1. Esse gol o Operário sentiu e viu o adversário crescer. Aos 11, após bela troca de passes entre jogadores da equipe alagoana, Diego Torres recebeu na entrada da área e chutou colocado para ampliar.

+ Polícia aborda ambulância com sirene ligada e descobre 1,5 tonelada de maconha

O time de Ponta Grossa parou de jogar, enquanto que o CRB acelerou. Aos 23, Igor foi derrubado dentro da área e o árbitro marcou pênalti. Alisson Safira foi para a cobrança e fez o quarto gol. Igor ainda teve tempo para fazer o quinto, mas jogou para fora, nada que estragasse a grande atuação do time da casa.

Na próxima rodada, o Operário enfrenta o Cruzeiro na terça-feira, às 21h30, no estádio Germano Kruger, em Ponta Grossa (PR). Na quarta, às 16h30, o CRB visita o Figueirense no Orlando Scarpelli, em Florianópolis (SC).

FICHA TÉCNICA:

CRB 4 x 1 OPERÁRIO

CRB – Victor Souza; Reginaldo Lopes (Lucas Mendes), Gum, Reginaldo Júnior e Hugo (Igor); Claudinei, Moacir e Diego Torres (Adsson); Pablo Dyego (Carlos Jatobá), Alisson Safira e Bill (Darlisson). Técnico: Marcelo Cabo.

OPERÁRIO – Thiago Braga; Sávio, Ricardo Silva, Reniê e Julinho (Fabiano); Mazinho (Jorge Jimenez), Pedro Ken e Marcelo (Maranhão); Clayton (Lucas Batatinha), Douglas Coutinho (Diego Cardoso) e Jefinho. Técnico: Gerson Gusmão.

GOLS – Bill, aos 4, e Pedro Ken, aos 26 minutos do primeiro tempo. Pablo Dyego, ao 1, e Diego Torres, aos 11, Alisson Safira, aos 23 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Hugo (CRB); Clayton, Julinho, Mazinho e Reniê (Operário).

ÁRBITRO – Paulo Henrique Schleich Vollkopf (MS).

RENDA E PÚBLICO – Jogo sem torcida.

LOCAL – Estádio Rei Pelé, em Maceió (AL).

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel
+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês
+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Educar é mais importante do que colecionar