Geral

Crânio de hominídeo que viveu há 3,8 milhões de anos é encontrado na Etiópia


Um fóssil encontrado na África lança uma nova luz sobre os nossos ancestrais. Arqueólogos descobriram na Etiópia um crânio de um hominídeo que viveu há 3,8 milhões de anos – um espécime muito raro que pode mudar completamente o que sabemos sobre um dos mais famosos ancestrais da humanidade, Lucy, e sobre a nossa própria espécie.

O crânio pertence à espécie Australopithecus anamensis e ofereceu aos cientistas a primeira chance de dar uma boa olhada na face desse hominídeo. Acreditava-se que a espécie tinha precedido a de Lucy, Australopithecus afarensis, que, por sua vez, seria o nosso ancestral direto.

A nova descoberta sugere, no entanto, que as duas espécies teriam compartilhado as savanas da Etiópia durante pelo menos cem mil anos. Isso indica, segundo os especialistas, que a árvore evolucionária dos primeiros hominídeos é bem mais complicada do que se imaginava e pode nos fazer repensar a tese de que viemos de uma espécie em particular, representada por Lucy.

“Crânios fossilizados de hominídeos são tesouros excepcionalmente raros”, explicou a paleoantropóloga Carol Ward, da Universidade do Missouri, em entrevista à revista Nature, que publicou o novo estudo. “Esse é o novo espécime pelo qual todos nós estávamos esperando.”

A afarensis viveu na África entre 4 milhões e 3 milhões de anos atrás. Essa espécie é importante para entendermos a evolução humana porque, provavelmente, teria sido a partir desses hominídeos que o gênero humano, o Homo, evoluiu, há 2,8 milhões de anos.

Ao longo das últimas décadas, pesquisadores descobriram dezenas de fragmentos de fósseis de A. anamensis na Etiópia e no Quênia, alguns deles com mais de 4 milhões de anos. Os cientistas achavam que o A. anamensis gradualmente evoluiu para o A. afarensis, sem nunca terem coexistido.

O crânio descoberto recentemente por um grupo de paleoantropólogos liderados por Yohannes Haile-Selassie, do Museu Cleveland de História Natual, em Ohio, nos Estados Unidos, sugere exatamente o contrário.

A descoberta de Lucy (que recebeu este nome por causa da música dos Beatles “Lucy In The Sky With Diamonds”), em 1974, também na Etiópia, gerou grande comoção mundial. O fóssil, de 3,2 milhões de anos, foi o primeiro descoberto de um hominídeo que era capaz de andar de pé.

Em entrevista à Nature, o professor Fred Spoor, do Museu de História Natural de Londres, no Reino Unido, disse que o novo crânio tem tudo para “se tornar outro ícone célebre da evolução humana”.


Saiba mais
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua