Geral

CPI apura suspeita de pagamentos mensais de até R$ 296 mil em propina na Saúde

Crédito: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Deputado federal Ricardo Barros (Crédito: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)


A CPI da Covid está investigando uma denúncia de possíveis pagamentos irregulares de até R$ 296 mil a políticos e servidores ligados ao Ministério da Saúde, conforme apuração do UOL.

De acordo com as primeiras informações, o suposto esquema teve início em 2018 com previsão para durar cinco anos. A denúncia, que foi revelada por uma ex-servidora da pasta, ainda expõe que o acordo foi feito em reunião de senadores independentes e da oposição em 6 de julho, na casa de Omar Aziz (PSD-AM).

Um dos possíveis beneficiados seria o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), ex-ministro e atual líder do governo na Câmara.

Entenda o caso

Até 2018, o Ministério da Saúde tinha como distribuição de vacinas e outros insumos sob a responsabilidade da Cenadi (Central Nacional de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos). Com isso, o órgão que existiu por 20 anos ficava no comando da logística pelo governo federal.

No entanto, a Cenadi deixou de existir durante a gestão de Barros na pasta. O órgão foi sucedido pela VTC Operadora Logística Ltda, conhecida como VTCLog.

Nesse sentido, a empresa privada passou a comandar a distribuição e armazenamento de vacinas, medicamentos e insumos da União, os quais eram direcionados aos estados e municípios.

Ao UOL, um parlamentar que integra a CPI disse que testemunhas disseram aos senadores que a “operadora logística” contratada durante a gestão Barros seria um meio para desviar recursos do Ministério da Saúde, inclusive durante a pandemia do novo coronavírus.

O que diz Barros?

O atual líder do governo na Câmara nega que tenha cometido irregularidades ou recebido recursos financeiros da VTCLog de forma direta ou indireta, além de refutar qualquer ligação com a empresa.

O deputado e ex-ministro acrescentou que, em sua gestão, tentou contratar os Correios por meio de dispensa de licitação, mas que foi impedido pelo TCU (Tribunal de Contas da União), que exigiu o procedimento licitatório.

“Os Correios não participaram da licitação por razões de documentação e a VTCLog venceu a concorrência”, disse Ricardo Barros, líder do governo na Câmara.

Sobre a extinção do Cenadi, Barros explicou que a mudança foi feita com base em um estudo para diminuição de custos.

“Segundo estudo feito na época pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a centralização reduziria em 20% os gastos de logística”, afirmou o deputado.

Procurada pelo UOL, a VTCLog afirmou que não praticou “nenhum ato ilícito” e que, “até agora”, não recebeu “pelos serviços prestados”. “Nunca houve pedido de propina de ninguém do ministério à VTCLog”, disse a empresa em comunicado.



Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio