Covid de Queiroga o salva de vexame maior em NY e Brasília

Ministro se livra da CPI e de explicar o inexplicável em debates na ONU. Coluna solicitou à Presidência o atestado e quem assinou o laudo

Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil

(Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil)


É uma piada pronta a inesperada contaminação por Covid-19 logo do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em plena Nova York. Mas enquanto fica em quarentena num hotel de Manhattan, por outro lado o script não poderia ser melhor para sua situação política.

Ministro de Estado, uma autoridade, Queiroga mostrou o dedo do meio em gesto obsceno que já ganhou as pautas nova-iorquinas. Ele ficaria cercado pela imprensa na ONU até esta sexta-feira, por compromissos em debates da representação do Brasil com comitês de outros países.

E como explicar 700 mil mortes por Covid-19 no Brasil? E a suspensão da vacina pra adolescentes, por ordem do chefe negacionista? E como defender, para autoridades na ONU, algumas inverdades do discurso do presidente Bolsonaro na Assembleia? E os escândalos das tentativas de compras superfaturas de vacinas na pasta que comanda?

Bolsonaro voltou correndo para o Brasil, e deixou Queiroga na mira da imprensa internacional com o ônus de falar pela gestão desastrosa na Saúde . Enfim, o Covid-19 do ministro o livrou de um constrangimento maior, dentro da sede da ONU, e o blindou de ser convocado nesta semana para se explicar na CPI da Pandemia.

Solicitamos à Presidência e ao Ministério da Saúde o atestado que comprova o Covid-19. Como autoridade pública, deve-se dar publicidade ao exame, onde e como foi feito, e o médico que assina o laudo. A Coluna torce pela sua melhora de saúde, assim como a de outros milhares de brasileiros internados e em tratamento domiliar.

Saiba mais
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Qual é a melhor versão do Jeep Compass 2022?
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio

Tópicos

Queiroga

Sobre o autor

Leandro Mazzini começou a carreira jornalística em 1996. É graduado em Comunicação Social pela FACHA, do Rio de Janeiro, e pós-graduado em Ciência Política pela UnB. A partir de 2000, passou por ‘Jornal do Brasil’, ‘Agência Rio de Notícias’, ‘Correio do Brasil’, ‘Gazeta Mercantil’ e outros veículos. Assinou o Informe JB de 2007 a 2011, e também foi colunista da Gazeta. Entre 2009 e 2014 apresentou os programas ‘Frente a Frente’ e ‘Tribuna Independente’ (ao vivo) na REDEVIDA de Televisão, em rede, foi comentarista político do telejornal da Vida, na mesma emissora e foi comentarista da Rede Mais/Record TV em MG. Em 2011, lançou a ‘Coluna Esplanada’, reproduzida hoje em mais de 50 jornais de 25 capitais e interior Foi colunista dos portais ‘UOL’ e ‘iG’ desde então, e agora escreve no blog que leva seu sobrenome no portal da ‘Revista Isto É’, onde conta com o trabalho dos jornalistas Walmor Parente, Carolina Freitas e Leopoldo Gomes, além de correspondentes no Rio e Recife. É também comentarista das rádios ‘JK FM’ em Brasília, ‘Super TUPI’, do Rio, e ‘Rádio Muriaé’.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.