Brasil

Covid-19: hospitais públicos do DF devem usar contêineres para armazenar corpos

Crédito: Iges-DF/ Divulgação

Contêiner para armazenar corpos de vítimas da Covid-19 (Crédito: Iges-DF/ Divulgação)

Os hospitais e as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) receberam contêineres para armazenar os corpos de vítimas do novo coronavírus no Distrito Federal, conforme apuração do G1.

Segundo a Secretaria de Saúde, os equipamentos refrigerados evitam a infecção entre familiares e profissionais de saúde, respeitando os protocolos de respeito a dignidade da pessoa. Ainda de acordo com a pasta, até o último domingo (31) a capital registrava 170 óbitos em decorrência do novo coronavírus.

De acordo com o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), responsável por gerir as unidades de saúde, os contêineres devem ser usados pelo período de até seis meses. O custo do aluguel desses equipamentos será de R$ 84 mil.

“A ideia da implantação dos equipamentos é evitar o cruzamento de fluxos na liberação”, explica o superintendente do Hospital de Base, Weldson Muniz.

“As vítimas da Covid-19 passam por um procedimento diferente dos demais, que devem estar separados para evitar que sejam contaminados”.

O diretor-presidente do Iges-DF, Sergio Costa, disse que as câmaras frias vão atuar como forma de isolamento e armazenamento dos corpos até que os familiares tomem as medidas cabíveis.

Veja também

+ Pronampe: pedidos ao Sicoob somam R$ 500 mi em 1 dia, 41% do limite
+ Leilão tem Camaro por R$ 72 mil e Versa por R$ 22 mil
+ Gafanhotos: Bahia enfrenta nuvem de insetos
+ A história da Rural e da picape F-75, avós dos SUVs brasileiros
+ 5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
+ Hackers brasileiros roubaram dados de clientes em 12 bancos
+ Jovem pede delivery e encontra dedo humano em esfirra
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior